Fitch: Risco político não influenciou crise do ‘rating’ português

Entre os 38 países analisados pela Fitch, “questões políticas e de governação foram o ‘gatilho’ ou o principal fator para as crises do ‘rating’ em 21% dos casos” nos últimos 20 anos. Portugal ficou no lado contrário da tabela.

Reinhard Krause/Reuters
Ler mais

O risco político é um dos fatores determinantes para as decisões de rating da Fitch, que não viu este parâmetro como problemático em Portugal durante a crise. Por outro lado, a agência de notação financeira sublinha que países onde o risco político é elevado, têm mais dificuldades em sair da crise e beneficiar de subidas no rating.

Em 2010, a Fitch fez o primeiro downgrade a Portugal descendo um nível em relação à categoria AA, cerca de um ano antes de o então primeiro-ministro José Sócrates ter feito o pedido de ajuda externa. Segundo um relatório da Fitch, publicado esta terça-feira, o risco político não foi um fator que pesou na decisão.

Desde então e até novembro de 2011, Portugal caiu oito níveis para a categoria de ‘lixo’ financeiro, em BB+. Segundo a agência, o risco político voltou a não ser um fator que exacerbou os efeitos da crise em Portugal. Mas houve histórias diferentes.

“Questões políticas e de governação foram o gatilho para ou o principal fator para as crises do rating em 21% dos casos (oito em 38) e os amplificadores ou fatores de suporte em 26% dos casos (10 em 38), acrescentando a 47% de episódios acumulados em que o risco político foi um fator material”, explicou a agência, que analisou o que diz serem ‘crises de rating‘ em 38 países, entre 1997 e 2017.

Segundo a Fitch, nas 12 crises de rating que terminaram em default, os fatores políticos foram mais mais evidentes. Neste subgrupo, em três casos ou 25% houve risco político, enquanto em quatro países ou 33% este foi amplificador. No acumulado, foram 58%.

Por outro lado, “a recuperação é mais lenta quando os fatores políticos e de governação foram importantes condutores da crise”, refere a agência, acrescentando que “faz sentido já que a perda de eficiência do governo e de coesão política pode deixar os soberanos com menos capacidades de implementar programas de ajustamento para recolocar as economias numa posição sustentável”.

Relacionadas

Fitch não espera “mais progressos orçamentais de Portugal” depois de tanta austeridade

Tony Stringer, ‘managing director de ‘ratings’ soberanos, acredita que os partidos à esquerda do Governo poderão pressionar para um aumento da despesa pública, mas as metas impostas por Bruxelas deverão ser suficientes para controlar o défice e manter a dívida num caminho descendente.
Recomendadas

Galp põe PSI 20 em alta em contraciclo com queda das praças europeias

As ações da Galp foram as estrelas da sessão ao subirem 2,16% para 16,780 euros. Isto num dia em que o petróleo está a disparar no mercado de futuros. Europa fechou em queda.

Respostas Rápidas. Preço do brent dispara. Poderá atingir os 100 dólares por barril?

Por trás da subida estão três fatores: a perspetiva de uma queda na produção nos EUA, a decisão da OPEP e outros produtores de manter a oferta ao nível atual e as sanções norte-americanas ao crude iraniano.

Juros soberanos disparam com palavras de Draghi ao Parlamento Europeu

Mario Draghi disse que vê uma recuperação “relativamente vigorosa” da inflação subjacente da zona do euro, sinalizando que o Banco Central Europeu está bem encaminhado para aumentar as taxas de juros no final do próximo ano. No seu discurso no Comité para os Assuntos Económicos e Monetários no Parlamento Europeu, disse ainda que espera que os salários continuem numa trajetória de subida. Juros soberanos disparam na Europa e euro valoriza.
Comentários