Fitch sobe rating da CGD para segundo nível de lixo, mas com outlook positivo

A Fitch subiu o rating da Caixa para BB (estava em BB-). Esta subida do rating em um nível deixa ainda a dívida do banco na categoria de investimento especulativo, a dois patamares de sair do “lixo”. Mas o Outlook é positivo.

Cristina Bernardo

A Fitch subiu o rating da Caixa Geral de Depósitos para BB (estava em BB-). Esta subida do rating em um nível deixa ainda a dívida do banco na categoria de investimento especulativo, a dois patamares de sair do “lixo”.

Mas ao contrário do BCP, que viu hoje o rating subir para a mesma categoria da CGD; a Fitch passou o “outlook” para positivo.

A Fitch Ratings elevou  a classificação da Caixa Geral de Depósitos, de emissor de dívida  Longo Prazo (Long Term Issuer Default Rating – IDR) de ‘BB-‘ para ‘BB’ e o Rating de Viabilidade (Viability Rating) de ‘bb-‘ para ‘bb’ . O Outlook da dívida de longo prazo (IDR) é Positivo.

A actualização reflete o contínuo progresso da CGD na execução do seu plano de reestruturação ao longo dos últimos 12 meses, o que levou a melhorias notáveis ​​na qualidade dos ativos, rentabilidade operacional e melhorias na base de capital. “Acreditamos que a melhoria do ambiente operacional em Portugal tem apoiado a redução dos ativos problemáticos e facilitou a concretização dos objetivos estratégicos da CGD até à data”, diz a Fitch.

O Outlook Positivo reflete as expectativas da Fitch de que a CGD continuará a cumprir o plano de reestruturação acordado com a Comissão Europeia no âmbito da recapitalização do banco em 2017. Este plano inclui metas ambiciosas ao nível da melhoria da qualidade de ativos, capital e rentabilidade.

Os ratings da CGD continuam no entanto a reflectir a fraca qualidade dos seus activos e a rentabilidade core,  isto apesar de ambos terem melhorado durante os 12-18 meses, graças à capacidade da administração para cumprir as metas estabelecidas.

O progresso adicional no Plano Estratégico será uma consideração importante da classificação futura em termos de rating da CGD. Os ratings também levam em consideração o reforço dos rácios de capital da CGD e o rácio de liquidez aceitável, diz a Fitch.

Ou seja, o Outlook positivo hoje anunciado, que tem em conta os níveis confortáveis de capital e liquidez da Caixa, poderá perspetivar uma nova revisão em alta do rating nos próximos meses.

 

 

Ler mais
Relacionadas

Fitch reafirma rating do Santander Totta

A Fitch considera os níveis adequados de capitalização do banco detido a 100% pelo Santander Espanha, lembrando que “apesar da integração do Banco Popular Portugal, o Santander Totta continua a comparar bem com os seus concorrentes”.

Fitch sobe rating do BCP e já só faltam dois níveis para sair de “lixo”

A Fitch alerta no entanto para o ainda elevado rácio de malparado. “A qualidade dos ativos melhorou, mas permanece fraca pelos padrões internacionais”, diz a agência que alerta para a vulnerabilidade do capital a choques severos na qualidade de ativos.

Fitch mantém rating da EDP

Para a EDP, “esta afirmação da notação de rating reflecte a posição de liderança da EDP em Portugal, o peso significativo das actividades reguladas e quasi-reguladas bem como o nível de alavancagem financeira da empresa”.
Recomendadas

Santander Totta financia operações de PME no valor de 4,3 mil milhões

O Santander Totta anuncia a liderança nas linhas de crédito protocoladas com a PME Investimentos com 43.234 operações contratadas. A totalidade das linhas de crédito protocoladas com a PME Investimentos, até novembro de 2018, somam um total de 4.323 milhões de euros.

Lucro do Sistema de Indemnização aos Investidores cai 152% para 864 mil euros

O resultado líquido caiu em 2017, mas os ativos do fundo subiram 5,5%. “No balanço, destacam-se, no ativo, os meios financeiros líquidos, que totalizavam 11.480.988 euros (11,5 milhões), acima dos 10.939.010 euros (10,9 milhões) em 2016”, lê-se no relatório e contas publicado pela CMVM.

Associação diz que 150 emigrantes da Venezuela não estão abrangidos nas “soluções para os lesados”

Para o caso destes 150 ex-clientes do Banco Espirito Santo e das Suas sucursais financeiras no exterior, a solução encontrada para os outros lesados do BES e agora para os lesados do Banif, não os inclui, diz a ABESD – Associação de Defesa de Clientes Bancários.
Comentários