Fitch sobe rating do BCP e já só faltam dois níveis para sair de “lixo”

A Fitch alerta no entanto para o ainda elevado rácio de malparado. “A qualidade dos ativos melhorou, mas permanece fraca pelos padrões internacionais”, diz a agência que alerta para a vulnerabilidade do capital a choques severos na qualidade de ativos.

A Fitch subiu o rating do Millennium bcp para BB, Isto é subiu um nível (estava em BB-). Mas ainda continua a ser considerado investimento especulativo, no que toca à classificação da dívida.

A agência passou o Long-Term Issuer Default Rating (IDR) de ‘BB-‘ para de ‘BB’ e o  Viability Rating (VR) de ‘bb-‘ para to ‘bb’.

A dívida do banco liderado por Miguel Maya está assim agora no segundo nível da categoria de investimento especulativo (lixo) e a dois níveis de sair dele. O outlook mantém-se estável.

A atualização do BCP reflete a melhoria dos seus indicadores fundamentais, impulsionados, em particular, pela melhoria do resultado operacional e rentabilidade e pelo significativo progresso na redução dos ativos problemáticos, sustenta a Fitch.

A melhoria da qualidade dos ativos do BCP resultou na redução do peso dos ativos ativos problemáticos no rácio de capital. No entanto o rácio de ativos improdutivos ainda continua elevado.

Os ratings do BCP refletem ainda as métricas de qualidade de ativos, que apesar da melhoria, continuam mais fracas do que algumas instituições e domésticas e que a média do setor bancário a nível internacional; e a capitalização do banco que a Fitch vê como vulnerável a choques severos, apesar das melhorias observadas. Por isso o rating do banco continua em lixo, o que afeta o BCP na sua atividade de apoio às empresas.

Mas o rating reflete, pela positiva, a rentabilidade do banco antes de imparidades. O BCP, sendo como o segundo maior banco em Portugal, tem o poder de fixação de preços e tem um bom rácio de eficiência. “A Fitch espera que o ambiente económico em Portugal continue a apoiar o plano do banco de reduzir os ativos problemáticos a níveis mais aceitáveis, bem como da melhoria da rentabilidade do banco”, diz a agência.

Os lucros do BCP têm vindo a recuperar gradualmente, “embora durante o último ciclo económico e de taxas de juros tenham demonstrado que podem ser altamente voláteis”, diz ainda a Fitch.

A melhoria dos resultados líquidos que o banco registou resultou principalmente de menores imparidades (sobretudo para crédito) e de uma melhor eficiência operacional, devido à profunda reestruturação de custos realizada antes de 2017.

“Esperamos que as imparidades decresçam mais em 2019, o que deve levar a uma melhor rentabilidade operacional e uma gradual convergência com os pares internacionais. A rentabilidade operacional e a eficiência de custos pré-imparidade põe o BCP a comparar bem com os pares no mercado interno, oferecendo alguma vantagem se e quando as imparidades para crédito no BCP normalizarem”, lê-se no relatório da Fitch.

A qualidade dos ativos melhorou, mas permanece fraca pelos padrões internacionais. O rácio de malparado continua nos 13,5% no final de junho e a Fitch diz que espera que atinja os 11% a 12% no final do ano. Isto compara com um pico acima de 20% atingido em 2014 (conforme os padrões da EBA). A cobertura por por imparidades de cerca de 50% no final de junho de 2018 também melhorou, mas permanece baixa em comparação com os pares internacionais, resultando numa alta dependência de garantias e colaterais.

A posição de capital do banco melhorou devido a uma combinação de um aumento de capital de 1,3 mil milhões em 2017 e de redução de ativos ponderados pelo risco (RWAs). “Os buffers de capital do BCP são moderados e vemos o capital como altamente vulnerável a choques severos na qualidade de ativos”, adverte a Fitch.

No final de setembro de 2018, o rácio de capital common equity tier 1 (CET1) e o rácio de  capital total (na versão fully loaded) eram, respectivamente, 11,8% e 13,4%. Estes rácios fornecem um amortecedor (buffer) moderado em relação aos requisitos do Supervisory Review and Evaluation Process do BCP de 2018, diz a agência de rating.

O banco espera um impacto negativo gerível nos rácios de capital regulatório, fruto da aquisição do Euro Bank pelo Millennium Bank da Polónia em 2019 (menos de 40 pontos-base no rácio CET1 do grupo, fully loaded).

“A nossa avaliação do nível capitalização do banco leva em consideração com a exposição do BCP a riscos decorrentes de ativos obtidos por execução de incumprimento de crédito e com a exposição a investimentos em fundos de reestruturação. A Fitch estima que os créditos sem colateral suficiente ​​e os ativos obtidos por dação em cumprimento ainda pesam cerca de 90% do CET1  (fully loaded) no final de setembro de 2018.

“Esperamos que o banco continue a fortalecer a sua base de capital com a retenção de lucros e com novas reduções de ativos problemáticos”, recomenda a Fitch.

Em geral, a estrutura de financiamento do BCP manteve-se estável e a posição de liquidez do banco beneficiou de uma substancial desalavancagem do crédito ao longo dos últimos quatro anos. Os depósitos de clientes são a principal fonte de financiamento do BCP, com cerca de 79% do total do financiamento.

O Rating de Suporte (SR) no nível ‘5’ e o Support Rating Floor (SRF) classificado em ‘No Floor’ refletem a crença da Fitch de que os credores seniores do banco não podem contar com o apoio extraordinário total do soberano no caso de o banco se tornar inviável. A Diretiva de Recuperação e Resolução Bancária da UE (BRRD) e o Mecanismo Único de Resolução (SRM) para bancos da zona do euro fornecem uma estrutura para a resolução de bancos que provavelmente exigirão que credores seniores participem nas perdas, se necessário, antes que os Estado intervenham para os salvar.

 

Ler mais
Recomendadas

Santander Totta financia operações de PME no valor de 4,3 mil milhões

O Santander Totta anuncia a liderança nas linhas de crédito protocoladas com a PME Investimentos com 43.234 operações contratadas. A totalidade das linhas de crédito protocoladas com a PME Investimentos, até novembro de 2018, somam um total de 4.323 milhões de euros.

Lucro do Sistema de Indemnização aos Investidores cai 152% para 864 mil euros

O resultado líquido caiu em 2017, mas os ativos do fundo subiram 5,5%. “No balanço, destacam-se, no ativo, os meios financeiros líquidos, que totalizavam 11.480.988 euros (11,5 milhões), acima dos 10.939.010 euros (10,9 milhões) em 2016”, lê-se no relatório e contas publicado pela CMVM.

Associação diz que 150 emigrantes da Venezuela não estão abrangidos nas “soluções para os lesados”

Para o caso destes 150 ex-clientes do Banco Espirito Santo e das Suas sucursais financeiras no exterior, a solução encontrada para os outros lesados do BES e agora para os lesados do Banif, não os inclui, diz a ABESD – Associação de Defesa de Clientes Bancários.
Comentários