FMI: África cresce 3,1% este ano mas as vulnerabilidades não foram resolvidas

O Fundo Monetário Internacional (FMI) estimou hoje que as economias da África subsaariana cresçam 3,1% este ano e 3,8% em 2019, comprovando a recuperação em curso, mas alertou para a necessidade de resolver as “vulnerabilidades subjacentes”.

De acordo com o relatório ‘Perspetivas Económicas para a África Subsaariana’, hoje divulgado em Nusa Dua, durante os Encontros Anuais do FMI e do Banco Mundial, na Indonésia, “a recuperação económica continua a fortalecer-se”, mas as “vulnerabilidades subjacentes” às economias africanas “ainda têm de ser decisivamente resolvidas para isolar a recuperação dos riscos crescentes”.

No relatório sobre a África subsaariana, o FMI concentra-se na questão do emprego para os 20 milhões de jovens que todos os anos vão entrar no mercado de trabalho africano e salienta que “as políticas devem focar-se no fortalecimento de um crescimento maior e mais resiliente, que ajude a criar emprego para uma força de trabalho em expansão”.

Na divulgação do relatório, o diretor do departamento africano do FMI vincou que “o crescimento deverá melhorar mais para os países exportadores de petróleo, enquanto os países sem recursos intensivos continuam a crescer significativamente, com vários a registarem crescimentos de 6% ou mais”.

Abebe Aemro Selassie defendeu que as “vulnerabilidades subjacentes” precisam de ser resolvidas e salientou que “apesar de ter havido progressos na redução dos défices orçamentais, é preciso mais empenho para aumentar as receitas que sustentem a despesa pública de desenvolvimento e para servir a dívida”.

Alertando que o ambiente económico internacional vai ser marcado “por um período pouco usual de elevada incerteza política com significativos riscos”, Selassie disse que “os desafios relacionados com os rápidos avanços na tecnologia e com as mudanças climatéricas estão a crescer”.

Os governos devem, por isso, implementar políticas “que incluam o aprofundamento da integração financeira e comercial (incluindo no contexto da Zona de Livre Comércio Africana (ZLEC), a remoção das distorções de mercado, a melhoria da eficiência da despesa pública, a promoção da conectividade digital e um sistema de educação flexível, além da criação de um ambiente que propicie o investimento privado e o risco”.

Já na quarta-feira, na apresentação das Perspetivas Económicas Mundiais (‘World Economic Outlook’), o economista-chefe do FMI, Maurice Obstfeld, e o diretor-adjunto do departamento de pesquisa, Gian Maria Milesi-Ferretti, tinham alertado para o facto de crescimentos abaixo de 4% serem insuficientes para acomodar no mercado de trabalho os jovens à procura do primeiro emprego.

“De uma forma geral, estamos a prever que o crescimento africano está a aumentar; no curto prazo, para perto de 4%, mas isso, infelizmente, é uma taxa de crescimento que realmente não é suficiente para cumprir as Metas do Desenvolvimento Sustentável e para empregar por completo a força de trabalho que cresce rapidamente”, disse Maurice Obstfeld.

“A taxa de crescimento agregada para o continente está a ser limitada pelo facto de as três maiores economias da região estarem a ter um desempenho abaixo do seu potencial”, acrescentou Milesi-Ferretti, especificando que a Nigéria cresce 1,9%, a África do Sul 0,8% e Angola tem uma ligeira recessão de 0,1%, este ano.

“Portanto, o crescimento agregado acima de 3% este ano e perto de 4% no próximo acontece apesar de as maiores economias do continente estarem a ter um mau desempenho; o continente podia crescer muito mais se estas economias estivessem mais sólidas, particularmente a África do Sul e a Nigéria, porque são muito grandes e afetam vários países na sua vizinhança”, concluiu o diretor-adjunto do departamento de pesquisa do FMI na conferência de imprensa de apresentação do documento.

Ler mais
Recomendadas

Movimento dos ‘coletes amarelos’ continua a diminuir com desorganização em Paris

O movimento dos “coletes amarelos” continua a perder fôlego, contando este sábado com cerca de 12.500 manifestantes em toda a França, segundo o Ministério do Interior, e 2.100 manifestantes em Paris, em pequenos desfiles dispersos pela capital.

Comissão política do ADI expulsa presidente eleito hoje em congresso em São Tomé

A comissão política do partido Ação Democrática Independente (ADI), na oposição em São Tomé e Príncipe, decidiu expulsar 14 militantes, incluindo Agostinho Fernandes, hoje eleito presidente do partido, por aclamação, num congresso que aquele órgão não reconhece.

Sismo de magnitude de 5,1 registado no Japão

Um abalo sísmico com uma magnitude de 5,1 na escala aberta de Richter foi hoje sentido na capital do Japão, Tóquio, não havendo informação sobre vítimas ou danos materiais elevados.
Comentários