FMI revê em alta projeção de crescimento de Portugal este ano para 2,4%

A instituição reviu em alta a projeção para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) português em 2018, ficando acima das estimativas do Executivo. No entanto, para 2019, manteve a previsão de uma desaceleração para 1,8%, em comparação com os 2,3% do Governo.

Ler mais

O Fundo Monetário Internacional (FMI) reviu em alta de 0,2 pontos percentuais a projeção para o crescimento económico em Portugal, para 2,4% este ano. A estimativa, publicada esta terça-feira no World Economic Outlook, segue-se a uma expansão de 2,7% da economia portuguesa no ano passado e é mais otimista que a do próprio Governo.

O valor revisto fica 0,1 pontos percentuais acima da projeção inscrita pelo Governo no Programa de Estabilidade (que foi enviado pelo Executivo de António Costa ao Parlamento, na sexta-feira).

O FMI espera assim que a economia portuguesa cresça este ano ao mesmo ritmo que a zona euro, sendo que reviu em alta as projeções para todas as grandes economias da moeda única. Em relação a 2019, o FMI manteve a estimativa de um crescimento de 1,8% do PIB português, abaixo dos 2% que projeta para a zona euro.

“É projetado que a recuperação da zona euro acelere ligeiramente dos 2,3% em 2017 para 2,4% este ano antes de moderar para 2% em 2019”, refere o documento. “A projeção é mais elevada que o WEO de outubro em 0,5 e 0,3 pontos percentuais para 2018 e 2019, respetivamente, o que reflete uma procura interna mais robusta que o esperado ao longo da zona euro, política monetária acomodatícia e melhoria das perspetivas de procura externa”, acrescenta.

A instituição liderada por Christine Lagarde acrescenta que a médio prazo, espera que a economia da zona euro cresça 1,4% devido à baixa produtividade que é causada por fracos esforços reformistas e demografia.

 

Relacionadas

Conselho das Finanças Públicas diz que previsões para 2018 afiguram-se como “prováveis”

O Conselho das Finanças Públicas (CFP) considerou hoje que as previsões do Governo para 2018, atualizadas no Programa de Estabilidade, afiguram-se como “prováveis”.

Finanças identificam investimento como principal fator de crescimento da economia

No Programa de Estabilidade, apresentado esta sexta-feira, prevê-se que o passo de evolução da formação bruta de capital fixo desacelere em 2,9 pontos percentuais este ano, face a 2017, para 6,2%, ainda assim uma taxa de crescimento que quase triplica o ritmo de expansão antecipado para o PIB, de 2,3%.

Governo quer a dívida a cair para 122,2% em 2018

Para o último ano da legislatura, 2019, o Governo aponta para uma dívida de 118,4% do PIB, a que se seguem 114,9% no ano seguinte, 107,3% em 2021 e 102% no último ano que da estimativa do programa.

Oficial: Governo confirma objetivo de défice de 0,7% do PIB este ano e 0,2% no próximo

O valor inscrito no Programa de Estabilidade já era amplamente esperado e desagradou ao Bloco de Esquerda e PCP. O primeiro-ministro garantiu, no entanto, que a redução do défice orçamental não muda nada nas políticas do Governo.
Recomendadas

Respostas Rápidas: qual a diminuição e crescimento dos transportes e mercadorias?

Na última quinta-feira, o Instituto Nacional de Estatística revelou os dados indicativos do segundo trimestre de 2018, sobre os dois setores.

Conheça oito blogues que vão ajudar a economizar as suas refeições

Conheça oito blogs que vão ajudar a manter uma alimentação equilibrada e económica.

Teodora Cardoso: “Não podemos pensar em reduzir impostos”

Em entrevista à ‘Antena 1’ e ao ‘Jornal de Negócios’, Teodora Cardoso disse: “penso que no estado em que estão as coisas, não podemos pensar muito em reduzir impostos”.
Comentários