FMI: turbulência externa está a aumentar os riscos para a economia europeia

A estimativas para o crescimento do PIB português e da zona euro ficaram inalteradas, mas a organização liderada por Christine Lagarde alertou no Regional Economic Outlook que os riscos aumentaram, especialmente os externos.

As tensões comerciais, a quebra na procura externa e a subida dos preços da energia são fatores externos que vieram aumentar os riscos para a economia europeia e atenuar o efeito positivo da procura interna, alertou o Fundo Monetário Internacional (FMI) esta quinta-feira.

A instituição liderada por Christine Lagarde manteve inalteradas as previsões para Portugal, com uma expansão económica de 2,3% este ano, 1,8% em 2019 e 1,5% em 2020. Para a Europa, continua a prever crescimento de  2,3% este ano e de 1,9% em 2019, enquanto na zona euro a expansão deverá ser de 2% e 1,9%, respetivamente.

No Regional Economic Outlook, o FMI referiu que a atividade económica continuou a crescer no primeiro semestre, embora a um ritmo menor do que esperado. A procura interna, suportada pelo emprego e pelos salário, permanece o principal motor de crescimento, afirmou.

“No entanto, o ambiente externo oferece menos suporte e esperado suavizar mais 2019 devido à desaceleração da procura mundial, às tensões comerciais e ao preços mais elevados da energia. A condições financeiras mais apertadas nas vulneráveis economia de mercados emergentes e a maturação dos ciclos de negócios estão também a pesar na atividade”, explicou.

Adiantou que a atividade deverá ficar acima do potencial na maioria dos países da região, mas alertou que os riscos aumentaram.

“A curto prazo, a escalada das tensões comerciais e um apertar acentuado das condições financeiras globais poderão prejudicar o investimento e pesar no crescimento. No médio prazo, os riscos originam do atraso no ajustamento orçamento e nas reformas estruturais, desafios demográficos, o aumento da desigualdade e a menor confiança nas políticas mainstream,” avisou.

O FMI explicou ainda que um Brexit sem acordo resultará em barreiras adicionais, tanto no comércio como noutras áreas, entre o Reino Unido e o resto da União Europeia, com consequências negativas para o crescimento.

Ler mais
Recomendadas

Fed: reuniões apontam debilidade na inflação como “transitória”

De acordo com as conclusões retiradas do encontro que teve lugar a 30 de abril e 1 de maio, os principais responsáveis pelo grupo que define a política monetária norte-americana determinaram que manter a paciência “é a postura adequada” neste momento.

Radares. Lisboa investe 3,2 milhões de euros para duplicar rede

Preço base do concurso público é de cerca de 1,3 milhões de euros para a aquisição de novos radares e de 1,3 milhões euros para a substituição dos existentes, valor ao qual acresce o IVA, perfazendo um investimento total de cerca de 3,2 milhões.

É como “viver num paraíso fiscal”. Portugal está a atrair os multimilionários brasileiros

Cada vez mais brasileiros de classe alta estão a ser atraídos para terras lusas, devido à expansão no mercado imobiliário e benefícios fiscais que Portugal oferece.
Comentários