FMI vai ser “mais intrusivo” nas finanças públicas dos países que ajuda

A garantia foi dada pela diretora-geral do FMI, Christine Lagarde, este domingo, que adianta que o FMI está a preparar a primeira revisão desde 1997, com novas regras sobre a intervenção nos países com um programa de ajuda financeira.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) vai passar a ser mais intrusivo nas finanças públicas dos países que ajuda. A garantia foi dada pela diretora-geral do FMI, Christine Lagarde, este domingo, que adianta que o FMI está a preparar a primeira revisão desde 1997, com novas regras sobre a intervenção nos países com um programa de ajuda financeira.

“Vamos ser mais intrusivos, os departamentos orçamental e jurídico já têm autorização do conselho de administração do Fundo para irem mais fundo na análise das finanças públicas dos países e exigirem cópias dos contratos, por exemplo”, afirmou Christine Lagarde, no último dia dos Encontros da Primavera, em Washington.

Christine Lagarde explica que “quando descobrimos dívidas que aparecem fora do Orçamento, ou quando percebemos que há negócios laterais na indústria extrativa, telecomunicações ou construção, geralmente os setores mais permeáveis à corrupção, isso dá-nos uma boa causa para parar de emprestar e precisamos de clareza total e cópia dos contratos, e então só podemos continuar se tivermos conhecimento total e o Governo tem de tomar ações concretas antes de voltar a receber ajuda”.

O novo programa de avaliação e divulgação da transparência das contas públicas dos países vai funcionar, numa primeira fase, em regime de voluntariado, em 19 países. Entre eles estão o Reino Unido, Paraguai e Benim, que aplaudiram a medida do FMI. Christine Lagarde acrescentou ainda que há 40 países que estão “a beneficiar de ajuda técnica do FMI sobre medidas contra a lavagem de dinheiro e o financiamento do terrorismo”.

Relacionadas

Moçambique prepara revisão em baixa do PIB para este ano

A nova estimativa ficará algures entre os 5,3% inicialmente previstos e os 3% avançados pelo FMI.

Mathilde Lemoine: “O risco deu lugar à segurança em Portugal”

Os salários baixos e a geografia aumentam a competitividade portuguesa e protegem contra a apreciação do euro. Com a ajuda do BCE e uma banca mais estável, o país é mais atrativo para os investidores, diz a economista.

“Crise de 2008 originou uma boa resposta” em Portugal, enaltece o FMI

Ler mais O diretor do departamento europeu do Fundo Monetário Internacional (FMI) elogiou Portugal pelo cumprimento das metas e considerou que o país é um exemplo por ter feito as reformas necessárias a tempo de aproveitar a recuperação económica europeia. “Portugal é o exemplo de um país onde a crise [de 2008 e 2009] originou […]

FMI: Brasil precisa de continuar reformas

O Fundo Monetário Internacional subiu a projeção de crescimento do Brasil para 2,3% em 2018 e 2,5% em 2019. “É tempo de fazer uma consolidação fiscal inteligente, gradual ao longo do tempo, e que ao mesmo continue a encorajar o processo de crescimento que está a acontecer no Brasil”, afirma Christine Lagarde.

FMI: Dívida pública de Moçambique vai ultrapassar 130% do PIB até 2022

De acordo com as previsões do ‘Fiscal Monitor’, apresentadas esta tarde em Washington, Moçambique é um dos seis países da África subsariana com uma dívida insustentável, para além do Senegal, Zâmbia e Costa do Marfim, entre outros.

Vítor Gaspar defende aproveitamento do atual período de crescimento para a criação de almofadas orçamentais

Vítor Gaspar, que falava durante a apresentação do “Fiscal Monitor”, o relatório sobre a evolução global das finanças públicas, relativo a 2018, defendeu que os governos devem “evitar medidas pró-cíclicas que providenciem estímulos desnecessários à economia, que está já acelerar”.
Recomendadas

Ministro da Economia pela primeira vez no Modtissimo

Manuel Caldeira Cabral vai estar no mais antigo certame ibérico do setor, que este ano espera mais de 400 compradores internacionais.

Autoestradas nacionais: uma rede a funcionar ao contrário

Um estudo da Associação Comercial do Porto afirma que a rede é ineficiente, cara e não serve os propósitos da sua criação. O Governo parece estar de acordo.

Nuno Amado: “Taxas de juro do crédito no último ano demonstram que a concorrência foi normalizada em Portugal”

Em entrevista ao jornal “Público” o agora presidente não executivo do BCP fala das mudanças no banco e também da exposição que os bancos portugueses tiveram no mercado internacional.
Comentários