Ford condenada a pagar 611 mil euros por vender carros com defeito na Tailândia

A maioria dos queixosos deste processo coletivo vai receber pagamentos entre os 6,79 euros e os 679 euros, dependendo do número de vezes e do tempo que os carros passaram nas oficinas de automóveis a serem reparados.

Um tribunal tailandês condenou a norte-americana Ford Motor Co. a pagar uma indemnização de 611 mil euros a 291 clientes pela venda de carros equipados com transmissões defeituosas.

A decisão do Tribunal Civil do Sul de Banguecoque foi vista esta sexta-feira como uma vitória num país onde os consumidores raramente são indemnizados.

A maioria dos queixosos deste processo coletivo vai receber pagamentos entre os 6,79 euros e os 679 euros, dependendo do número de vezes e do tempo que os carros passaram nas oficinas de automóveis a serem reparados.

A Dearborn, subsidiária australiana da Ford, já havia sido multada em dez milhões de dólares australianos (6,45 milhões de euros) pela má gestão de reclamações sobre transmissões defeituosas em milhares de carros.

As transmissões defeituosas também foram alvo de ações legais dos consumidores tanto nos Estados como no Canadá.

Recomendadas

Lucros da Semapa sobem quase 7% para mais de 130 milhões de euros

Os lucros atribuíveis aos acionistas atingiu os 132,6 milhões de euros, o que, face a 2017, representa um aumento de 6,8%. Entre os diferentes segmentos de negócio, foi a pasta e papel foi que mais contribuiu para o crescimento do EBITDA da holding, com 455,2 milhões de euros, o que representa um crescimento de 12,7% face a 2017.

Siderurgia Nacional afirma que nada na sua produção justifica poluição em Paio Pires

O diretor de relações institucionais da Siderurgia Nacional (SN-Seixal) afirmou hoje que não ocorreu nada de “anormal” no processo produtivo da empresa que justifique as poeiras negras e brancas na Aldeia de Paio Pires, no Seixal, distrito de Setúbal.

Donos da Herdade das Servas investem nos vinhos verdes

Irmãos Serrano Mira adquirem solar erguido em 1540 pelo poeta e humanista Francisco Sá de Miranda.
Comentários