Fórum do BCE de ‘despedida’ de Draghi esta segunda-feira em Sintra

O último Fórum do Banco Central Europeu (BCE) com Mario Draghi na liderança começa na segunda-feira, em Sintra, e decorre até quarta-feira, sob o mote dos 20 anos da zona euro.

O último Fórum do Banco Central Europeu (BCE) com Mario Draghi na liderança começa na segunda-feira em Sintra e decorre até quarta-feira, sob o mote dos 20 anos da zona euro. A sexta edição do Fórum do BCE terá como tema os “20 anos da União Económica e Monetária Europeia” e abordará também o futuro da zona euro.

“Para assinalar este importante marco, o Fórum analisará a convergência macroeconómica e a política monetária nos últimos 20 anos e como enfrentar os desafios para o crescimento económico na área do euro no futuro”, indica o BCE no seu site oficial.

O evento reúne governadores dos bancos centrais, académicos, decisores políticos e especialistas do mercado financeiro para trocar perspetivas sobre as principais questões de política monetária.

No final da tarde de segunda-feira, o presidente do BCE, Mario Draghi, dará início aos trabalhos com um jantar de boas-vindas. Seguir-se-á uma intervenção de Olivier Blanchard, do Peterson Institute for International Economics, que já foi economista-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Na terça-feira, os trabalhos terão como mote os primeiros 20 anos da União Económica e Monetária.

Mario Draghi fará o discurso inicial e, entre os intervenientes dos painéis do dia, constam Luis De Guindos, vice-presidente do BCE, Peter Praet, antigo membro da Comissão Executiva do banco central, Philip Lane, atual membro da Comissão Executiva do BCE, Laurence Boone, economista chefe da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e Ricardo Reis, professor na London School of Economics.

O último painel do dia juntará Mark Carney, governador do Banco de Inglaterra, Mario Draghi, presidente do BCE, e Janet Yellen, ex-presidente do Conselho de Governadores da Reserva Federal norte-americana.

Os trabalhos de quarta-feira começarão com uma intervenção de Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia, e o tema do dia será o futuro da zona euro.

Alguns dos intervenientes serão Benoît Coeuré, membro da Comissão Executiva do BCE, Stanley Fischer, antigo vice-presidente da Reserva Federal norte-americana, e Gita Gopinath, Conselheira Económica e Diretora do Departamento de Estudos do FMI.

Todos os anos, o Fórum BCE convida jovens economistas para participar numa competição, cujo prémio são 10 mil euros. Este ano, foram propostos trabalhos sobre o futuro da zona euro, abordando temas como o crescimento económico nos países do euro no contexto da globalização e da digitalização, o impacto das alterações demográficas e migratórias no crescimento económico dentro da zona euro e a convergência macroeconómica na região.

O vencedor será anunciado por Mario Draghi durante a tarde de quarta-feira, antes do discurso de encerramento, naquele que será o último Fórum do BCE com Mario Draghi enquanto presidente da autoridade monetária do euro.

O mandato de Draghi termina em 31 de outubro e os nomes mais referidos para suceder a Draghi incluem o governador do Banco de França, François Villeroy de Galhau, o membro da Comissão Executiva do BCE, Benoît Coeuré, o governador do Banco da Finlândia, Olli Rehn, e o seu antecessor Erkki Liikanen, e o presidente do Bundesbank (o banco central alemão), Jens Weidmann.

O processo de sucessão está a ser alvo de um forte escrutínio devido ao papel dominante de Draghi na recuperação económica da Europa desde que assumiu o cargo há quase oito anos.

Recorde-se que em 2012, Draghi afirmou que faria “o que fosse preciso” para salvar o euro, uma promessa que ajudou a superar a crise de dívida da zona euro.

Os líderes da União Europeia podem empurrar a decisão sobre o sucessor de Draghi para julho ou mais tarde.

Ler mais
Recomendadas

Produção no setor da construção cresce em maio na zona euro

Hungria e Roménia lideram as maiores subidas em termos homólogos. Em Portugal, a produção no setor da construção aumentou 3,7% na variação homóloga.

Preços na produção industrial diminuíram 0,2% no segundo trimestre

No segundo trimestre de 2019, a taxa de variação homóloga deste índice situou-se em 0,9%, com uma variação de 1,1% no primeiro trimestre.

Défice da balança de bens agravou-se para 1.901 milhões de euros

O saldo conjunto das balanças corrente e de capital foi negativo em 2.614 milhões de euros até maio, agravando-se face aos 1.303 milhões de euros negativos do mesmo período de 2018, divulgou hoje o Banco de Portugal.
Comentários