França: Manifestações de coletes amarelos com 84 mil manifestantes

Em várias cidades e regiões como Nimes, Nantes, Rouen, Caen ou Saint-Brieuc registaram-se confrontos entre manifestantes e forças da ordem.

Cerca de 84.000 pessoas manifestaram-se hoje em França em mais um protesto dos “coletes amarelos”, ultrapassando os 50.000 manifestantes da semana anterior, anunciou o Ministério do Interior.

Em Paris, onde foram mobilizados perto de 5.000 membros das forças da ordem, 8.000 pessoas desfilaram “calmamente” e “sem incidentes graves assinalados”, de acordo com o Ministério do Interior. Em todo o território francês foram feitas 244 interpelações.

“Ao longo da semana apelei ao fim da violência e vi que hoje em Paris a responsabilidade venceu a vontade de confrontação. Agora o lugar é dado ao grande debate nacional, que vai começar na terça-feira e deve decorrer num clima sereno e construtivo”, afirmou o ministro do Interior, Christophe Castaner, numa declaração à AFP.

Mas, em várias cidades e regiões como Nimes, Nantes, Rouen, Caen ou Saint-Brieuc registaram-se confrontos entre manifestantes e forças da ordem.

Ao longo da semana, as autoridades já tinham antecipado que a mobilização poderia aumentar e alertaram para os riscos. O governo multiplicou os avisos e prometeu que responderia com firmeza à violência.

Cerca de 80.000 membros das forças da ordem foram mobilizados em todo o território francês.

Este foi o nono sábado de mobilização num protesto que começou por ser contra o aumento dos combustíveis e contra a queda do poder de compra e atualmente contesta a política social e fiscal do governo.

Ler mais
Relacionadas

Coletes amarelos: Oito mil invadem Paris, 32 mil em França

Apesar das medidas aprovadas pelo Governo gaulês, como o aumento do salário mínimo em 100 euros, o movimento dos coletes amarelos não dá tréguas a Emmanuel Macron.

Manifestação de coletes amarelos em Paris obriga a fechar Torre Eiffel e dezenas de museus

A emblemática torre Eiffel estará fechada este sábado, tal como uma dezena de museus em Paris, para prevenir qualquer impacto de uma possível manifestação marcada pela violência.
Recomendadas

Kremlin pede contenção na atribuição de culpas nos ataques a petroleiros em Omã

O Kremlin pediu hoje contenção na atribuição de acusações “sem fundamento” sobre a autoria dos recentes ataques a dois petroleiros no golfo de Omã.

Mulher de Netanyahu culpada de uso indevido de dinheiros públicos

A mulher do primeiro-ministro israelita foi considerada culpada do uso indevido de dinheiros públicos e condenada a pagar uma multa, segundo uma decisão do tribunal de Jerusalém.

Brexit: saída sem acordo é praticamente inevitável

Saída de Theresa May da chefia do governo britânico e da frente de negociações do Brexit mudará alguma coisa? Aparentemente não, até porque o seu sucessor só pode ser da linha dura dos conservadores. E Bruxelas já não quer saber do assunto para nada.
Comentários