Francisco Assis quer PS a governar sozinho, sem entendimentos preferenciais

“A solução [de Governo] é má, mas o primeiro-ministro é bom. Imagino o grande primeiro-ministro que poderás ser sem esta limitação da geringonça”, disse Francisco Assis, dirigindo-se a António Costa.

Ler mais

O eurodeputado socialista Francisco Assis considerou este sábado que o PS deve governar sozinho na próxima legislatura, sem “constrangimentos” de aliados preferenciais, como forma de recuperar a sua autonomia estratégica, num discurso marcado por elogios a António Costa.

Neste Congresso da Batalha, distrito de Leiria, a intervenção de hoje de Francisco Assis foi mais aplaudida do que aquela que proferiu na reunião magna de 2016, apesar de ter voltado também desta vez a criticar a solução política deste Governo suportado no parlamento pelo Bloco de Esquerda, PCP e PEV.

Desta vez, para não ouvir apupos dos delegados socialistas, como em 2016, Assis misturou as suas objeções à solução de Governo apoiado pela esquerda com referências às qualidades pessoais do secretário-geral do PS e primeiro-ministro.

“A solução [de Governo] é má, mas o primeiro-ministro é bom. Imagino o grande primeiro-ministro que poderás ser sem esta limitação da geringonça”, disse, dirigindo-se a António Costa, que se riu com as palavras do antigo líder parlamentar socialista e um dos rostos do PS que representam a ala direita deste partido.

A intervenção de Francisco Assis foi também marcada por uma breve picardia com o presidente da Mesa do Congresso, Carlos César, depois de este o ter advertido que a sua intervenção já ia em oito minutos, em vez dos três estipulados.

“Carlos César, há quatro anos não usei da palavra. Fica a contar esse tempo. É uma devolução do tempo que não me deste há quatro anos”, reagiu Francisco Assis, numa alusão ao diferendo que o levou a abandonar sem falar esse Congresso de 2014 na Feira Internacional de Lisboa (FIL).

Relacionadas

“Isto não é radicalismo, é ser socialista”, diz Pedro Nuno Santos

O dirigente socialista Pedro Nuno Santos fez hoje a defesa da solução governativa do PS e considerou que defender o serviço público “não é radicalismo, é ser socialista”.

Daniel Adrião apresenta lista à Comissão Nacional

Será o próprio Daniel Adrião, que obteve 4% nas diretas frente ao secretário-geral socialista, António Costa, a encabeçar a lista.

PS: Alegre adverte que viragem à direita representaria risco de morte do partido

“O PS não pode inverter o caminho atual. Uma viragem à direita representaria um risco de morte para o PS, porque o Bloco Central empobrece a democracia e o ‘centrão’, hoje, ou em qualquer lado do mundo, significa empobrecimento do sistema e a ascensão do populismo”, advertiu o ex-candidato presidencial.

Cristas lembra que PS levou três vezes o país à bancarrota e dissimula a austeridade

“É bom que António Costa tenha memória e que não se esqueça de nenhum episódio da história, nem de nenhum dos seus antecessores”, afirmou Assunção Cristas na abertura do Congresso da Juventude Popular.

Costa: “O PS tem um longo historial de combate à corrupção”

Questionado pela SIC sobre casos recentes relacionados com membros do PS, o primeiro-ministro afirmou considerar que não fragilizam o partido.
Recomendadas

Ministro da Economia pela primeira vez no Modtissimo

Manuel Caldeira Cabral vai estar no mais antigo certame ibérico do setor, que este ano espera mais de 400 compradores internacionais.

Autoestradas nacionais: uma rede a funcionar ao contrário

Um estudo da Associação Comercial do Porto afirma que a rede é ineficiente, cara e não serve os propósitos da sua criação. O Governo parece estar de acordo.

Nuno Amado: “Taxas de juro do crédito no último ano demonstram que a concorrência foi normalizada em Portugal”

Em entrevista ao jornal “Público” o agora presidente não executivo do BCP fala das mudanças no banco e também da exposição que os bancos portugueses tiveram no mercado internacional.
Comentários