Frente Comum: ‘Descongelamento das progressões’ não agrada e greve mantém-se

A Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública considera que a nova versão da proposta do Governo sobre o descongelamento das progressões na carreira não responde às reivindicações, pelo que a greve marcada para 27 de outubro mantém-se.

Ler mais

A dirigente Ana Avoila falava aos jornalistas no Ministério das Finanças, à entrada de mais uma reunião com os membros do Governo para fechar a proposta relativa às matérias para a administração pública que irão constar no Orçamento do Estado para 2018 (OE2018), documento que será entregue na sexta-feira no parlamento.

Para a líder da Frente Comum, a nova versão da proposta do Governo “mantém o faseamento” das progressões na carreira, além de não contemplar aumentos salariais nem o horário semanal das 35 horas para todos os trabalhadores.

A nova proposta do Governo “não responde” às reivindicações dos trabalhadores, “não há uma aproximação real” ao que é exigido, considerou Ana Avoila.

“Há uma incompreensão do estado de espírito dos trabalhadores da administração pública que não faz sentido”, concluiu a dirigente sindical.

A nova versão da proposta do Governo que chegou esta madrugada aos sindicatos estabelece que os funcionários públicos vão receber no próximo ano um terço do valor da progressão na carreira, sendo o restante pago em janeiro e dezembro de 2019.

O documento prevê ainda o fim do corte no valor das horas extraordinárias, mas de forma faseada ao longo de 2018.

Relacionadas

Frente Comum anuncia greve nacional para 27 de outubro

O anúncio foi feito aos jornalistas à saída de uma reunião no Ministério das Finanças sobre as matérias para a administração pública que irão constar na Lei do Orçamento do Estado para 2018 (OE2018).

OE2018: Governo descongela carreiras durante os próximos dois anos

Maior impacto do acréscimo remuneratório terá impacto apenas em 2019 e apenas 1/3 do impacto orçamental será sentida em 2018.
Recomendadas

Apoio a Rui Rio: o que diz o documento que o PSD Lisboa não vai subscrever

Apesar de vários presidentes de distritais sociais-democratas terem expressado dúvidas quanto à forma e conteúdo do texto, o documento será assinado por todos, à exceção do PSD-Lisboa.

Bruno de Carvalho vai impugnar eleições do Sporting

Decisão é sustentada “por terem sido precedidas de várias ilegalidades, algumas já comprovadas pelos tribunais e revestidas de um grave desrespeito pela democracia”.

Pobreza multidimensional afeta cerca de 1,3 mil milhões de pessoas no mundo

Números do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento Humano (PNUD) indicam a existência de 662 milhões de crianças de 104 países em situação de pobreza multidimensional, entre 1,3 mil milhões de pessoas.
Comentários