Função Pública vai contratar 11.400 pessoas até 2019

Conselho das Finanças Públicas alerta para o perigo de subestimar o impacto na despesa com o pessoal do Estado. Valor previsto do aumento é de 107 milhões de euros.

1. Adote uma estrutura de custos mais flexível. Quanto mais flexível for a estrutura de custos, mais sustentável é o negócio e a tesouraria das empresas. Nomeadamente no que diz respeito aos gastos com os funcionários, por exemplo, devem ser contratadas pessoas que sejam essenciais para a parte operacional da empresa. Dependendo da dimensão das empresas, todas as restantes áreas, devem ter custos flexíveis com o recurso ao outsourcing dessas mesmas funções ou tarefas.

Vão ser admitidos mais 11.400 funcionários públicos nos quadros do Estado até ao final de 2018 e durante o ano de 2019, revela o “Jornal de Notícias” (JN) na edição de sexta-feira, 21 de setembro. Uma intenção que já havia sido manifestada pelo Ministério das Finanças e que até o próprio primeiro-ministro, António Costa, referiu que “é mais importante contratar funcionários públicos do que aumentar os salários”.

No entanto, o Conselho das Finanças Públicas (CFP) calculou os valores não só para avaliar o impacto da medida na despesa, mas também para saber quantos funcionários seriam, de facto, contratados para o Estado em 2018 e 2019.

Em relação ao aumento da despesa com o pessoal em 2018, devido à contratação de mais funcionários públicos, o valor previsto é de 107 milhões de euros. Segundo o Ministério das Finanças, o valor da despesa com aumento do número de efetivos sobe para os 111 milhões de euros.

Recomendadas

Reprogramação do Portugal 2020 vai alavancar investimento de 7,3 mil milhões de euros

Desde 7 de dezembro, quando a Comissão Europeia aprovou a reprogramação do Portugal 2020, já foram aprovados concursos de 460 milhões de euros , que vão induzir um investimento de 1,2 mil milhões de euros.

PJ detém cinco empresários por fraude com fundos do ‘Portugal 2020’

Cerca de uma centena de inspetores da PJ fizeram hoje buscas a uma dezena de empresas do Norte do país, por suspeitas dos crimes de fraude na obtenção de subsídios comunitários, fraude fiscal qualificada e branqueamento. Vantagem desta associação criminosa ascende a quase 3 milhões de euros.

Primeiro-ministro de Cabo Verde repudia especulação sobre remodelação governamental

Em entrevista ao Jornal Económico Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, primeiro-ministro de Cabo Verde, falou das prioridades do seu governo.
Comentários