Função Pública vai contratar 11.400 pessoas até 2019

Conselho das Finanças Públicas alerta para o perigo de subestimar o impacto na despesa com o pessoal do Estado. Valor previsto do aumento é de 107 milhões de euros.

1. Adote uma estrutura de custos mais flexível. Quanto mais flexível for a estrutura de custos, mais sustentável é o negócio e a tesouraria das empresas. Nomeadamente no que diz respeito aos gastos com os funcionários, por exemplo, devem ser contratadas pessoas que sejam essenciais para a parte operacional da empresa. Dependendo da dimensão das empresas, todas as restantes áreas, devem ter custos flexíveis com o recurso ao outsourcing dessas mesmas funções ou tarefas.

Vão ser admitidos mais 11.400 funcionários públicos nos quadros do Estado até ao final de 2018 e durante o ano de 2019, revela o “Jornal de Notícias” (JN) na edição de sexta-feira, 21 de setembro. Uma intenção que já havia sido manifestada pelo Ministério das Finanças e que até o próprio primeiro-ministro, António Costa, referiu que “é mais importante contratar funcionários públicos do que aumentar os salários”.

No entanto, o Conselho das Finanças Públicas (CFP) calculou os valores não só para avaliar o impacto da medida na despesa, mas também para saber quantos funcionários seriam, de facto, contratados para o Estado em 2018 e 2019.

Em relação ao aumento da despesa com o pessoal em 2018, devido à contratação de mais funcionários públicos, o valor previsto é de 107 milhões de euros. Segundo o Ministério das Finanças, o valor da despesa com aumento do número de efetivos sobe para os 111 milhões de euros.

Recomendadas

Os cinco problemas da economia angolana aos olhos do FMI

O Fundo Monetário Internacional aprovou a segunda tranche de financiamento para Angola no valor de 248,15 milhões de dólares, mas identificou cinco desafios que as autoridades angolanas devem fazer de tudo para ultrapassar, entre os quais a diversificação económica.

Governo estima atribuir 156 mil novas pensões este ano

Os dados foram avançados por Mário Centeno na Comissão do Trabalho e da Segurança Social, em resposta a críticas dos deputados sobre atrasos na atribuição de pensões.

“Sem fundo de garantia de depósitos comum, união bancária é insuficiente”, afirma economista-chefe do FMI

Gita Ginopath, economista-chefe do Fundo Monetário Internacional, disse que o “próximo passo” para o reforço da união bancária passa pela construção do fundo de garantia de depósitos comum, elemento fundamental para o futuro da União Económica e Monetária. E, para a união dos mercados de capitais, defendeu a construção de “instituição central para instituições não financeiras”.
Comentários