PremiumFundo de Resolução com 250 milhões de receitas este ano

As receitas do Fundo de Resolução – que vai voltar a ser chamado a injetar até 726,4 milhões no Novo Banco – rondam os 250 milhões em 2018.

O Fundo de Resolução estima chegar ao final do ano com receitas de cerca de 250 milhões de euros, fruto essencialmente das contribuições diretas das instituições participantes e da receita proveniente da contribuição sobre o setor bancário (imposto da banca), segundo revelou fonte próxima do processo ao Jornal Económico.

Mas este valor ainda servirá para cobrir as despesas com comissões e juros de empréstimos anteriores (contraídos para financiamento da medida de resolução aplicada ao BES e das medidas de resolução aplicadas ao Banif) e que o Fundo está obrigado a pagar. Pelo que a estimativa é que em 2018 o Fundo de Resolução conte com uma receita líquida, depois de pagar juros, que oscilará entre os 150 milhões e os 175 milhões de euros.

Este é o valor que o Fundo terá disponível em recursos próprios para injetar no Novo Banco, que admitiu recentemente ter de voltar a recorrer em 2019, ao Mecanismo de Capital Contingente para se recapitalizar. Segundo o relatório e contas do Novo Banco do semestre, “está contabilizado em outras reservas e resultados transitados o valor apurado a essa data quanto ao montante a receber em 2019, ao abrigo do Mecanismo de Capital Contingente celebrado com o Fundo de Resolução, de 726,369 milhões de euros”.

Tendo em conta as estimativas de receitas do Fundo de Resolução, e uma vez que dificilmente o Fundo conseguirá emitir dívida no mercado para se financiar, o Estado será chamado a emprestar entre 551,4 milhões e 576,4 milhões ao Fundo de Resolução nacional.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui esesoluao JE Leitor.

Recomendadas

Joe Berardo pondera chamar Vítor Constâncio como testemunha contra banca

O empresário e coleccionador de arte português José Berardo está a estudar a hipótese de chamar o antigo governador do Banco de Portugal (BdP) Vítor Constâncio como testemunha num processo movido pelos bancos, revela o “Público” esta segunda-feira. Em causa está o processo judicial para recuperar 962 milhões de euros. A informação foi transmitida ao […]

Cabral dos Santos diz que “o grande problema da Investifino foi ter investido no BCP”

Os empréstimos à Investifino deram perdas à Caixa de 564 milhões, mesmo com uma reestruturação do crédito em 2009. Estas operações foram contratadas entre 2006 e 2007. E tinham como colaterais ações da Cimpor, BCP e Soares da Costa.

Cabral dos Santos revela carta onde Berardo pede à CGD crédito de 350 milhões para comprar ações do BCP

“A carta de Joe Berardo a Carlos Santos Ferreira de 10 de novembro de 2016 evidencia que foi a Fundação Berardo tomou a iniciativa de consultar a Caixa” [para o empréstimo de 350 milhões de euros]. A operação ou era feita com rácio de cobertura por garantias de 105% ou não se fazia. Essa era condição do cliente. A operação fez-se apesar de o parecer do risco ter inicialmente exigido uma cobertura de 120%.
Comentários