PremiumFundo de Resolução com 250 milhões de receitas este ano

As receitas do Fundo de Resolução – que vai voltar a ser chamado a injetar até 726,4 milhões no Novo Banco – rondam os 250 milhões em 2018.

O Fundo de Resolução estima chegar ao final do ano com receitas de cerca de 250 milhões de euros, fruto essencialmente das contribuições diretas das instituições participantes e da receita proveniente da contribuição sobre o setor bancário (imposto da banca), segundo revelou fonte próxima do processo ao Jornal Económico.

Mas este valor ainda servirá para cobrir as despesas com comissões e juros de empréstimos anteriores (contraídos para financiamento da medida de resolução aplicada ao BES e das medidas de resolução aplicadas ao Banif) e que o Fundo está obrigado a pagar. Pelo que a estimativa é que em 2018 o Fundo de Resolução conte com uma receita líquida, depois de pagar juros, que oscilará entre os 150 milhões e os 175 milhões de euros.

Este é o valor que o Fundo terá disponível em recursos próprios para injetar no Novo Banco, que admitiu recentemente ter de voltar a recorrer em 2019, ao Mecanismo de Capital Contingente para se recapitalizar. Segundo o relatório e contas do Novo Banco do semestre, “está contabilizado em outras reservas e resultados transitados o valor apurado a essa data quanto ao montante a receber em 2019, ao abrigo do Mecanismo de Capital Contingente celebrado com o Fundo de Resolução, de 726,369 milhões de euros”.

Tendo em conta as estimativas de receitas do Fundo de Resolução, e uma vez que dificilmente o Fundo conseguirá emitir dívida no mercado para se financiar, o Estado será chamado a emprestar entre 551,4 milhões e 576,4 milhões ao Fundo de Resolução nacional.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui esesoluao JE Leitor.

Recomendadas

BCE exige à CGD para 2019 o mesmo rácio de capital que tinha exigido no ano passado

“O requisito de Pilar 2 para a CGD em 2019 é de 2,25%, o que representa uma manutenção face a 2018”, diz a Caixa. Recorde-se que os requisitos de Pilar 2, são os específicos das instituições e confidenciais. “Considerando os rácios da CGD em 31 de dezembro de 2018, são já cumpridos, com uma significativa margem, todos os novos rácios mínimos exigidos em matéria de CET1 (Common Equity Tier 1), Tier 1 e Rácio Total”, diz a CGD.

BNI Europa estabelece parceria com empresa alemã para concretizar a implementação da Diretiva de Serviços de Pagamento

Esta cooperação é um marco para o futuro desenvolvimento do Open Banking na Europa e o próximo passo no crescimento do Banco BNI Europa, diz o banco.

Natixis registou resultado líquido de 1,6 mil milhões de euros em 2018

A Natixis alcançou 12,0% de RoTE (Return on tangible equity) subjacente (13,9% ajustado) face a 12,3% em 2017, anuncia o banco francês. O RoE (return-on-equity, rendimento sobre o capital) subjacente dos negócios atingiu 13,7% (15,1% ajustado), face a 13,8% em 2017.
Comentários