Fundo soberano de Cabo Verde não contará com recursos do Estado

“Temos uma solução, uma engenharia montada não é preciso recursos orçamentais, e brevemente anunciaremos como iremos montar este fundo, que não contará com recursos do Estado. Há soluções mais interessantes e melhores para o país no sentido de criar este Fundo Soberano e assim como Fundo de Emergência”, diz Olavo Correia.

O Fundo Soberano de 90 milhões de euros para o financiamento de grandes projetos de empresas cabo-verdianas, anunciado na sexta-feira pelo vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças, não contará com recursos do Estado. Olavo Correia, que falava aos jornalistas à margem da apresentação pública das ofertas formativas 2019, estágios profissionais e oportunidades de financiamento, diz que brevemente o governo irá apresentar a solução encontrada.

O governante aponta que o fundo em causa é “o veículo que completa o puzzle do ecossistema do financiamento em Cabo Verde”, uma vez que é este o papel que cabe ao Estado “ser um criador de oportunidades para que outros possam fazer”.

“Nós estamos a criar as condições para que as micro, pequenas, médias e grandes empresas tenham condições de ter acesso a financiamento a escala internacional, para promover a grandes empresas cabo-verdianas com projetos bem estruturados e bem montados para que possam ter condições de fazer rotura com o estado atual em relação criação de emprego, produção e exportação”, disse Olavo Correia.

O fundo soberano funciona como um mecanismo de garantia para permitir as empresas nacionais, que reunam determinadas condições de risco e de gestão, a ter acesso a mercados internacionais para financiarem projetos em Cabo Verde que possam gerar empregos bem remunerados.

O governo está a trabalhar “a todo vapor” para brevemente dar os pormenores do funcionamento do Fundo Soberano, referiu Olavo Correia, que não entra em pormenores quando questionado sobre o mecanismo de financiamento do Fundo Soberano, garantido apenas que o valor será mobilizado fora Orçamento do Estado.

“Temos uma solução, uma engenharia montada não é preciso recursos orçamentais, e brevemente anunciaremos como iremos montar este fundo, que não contará com recursos do Estado. Há soluções mais interessantes e melhores para o país no sentido de criar este Fundo Soberano e assim como Fundo de Emergência”, diz Olavo Correia.

Neste momento, o vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças aponta que existem empresas de vários setores, sobretudo ligadas a área do turismo, agro-negócios, a manifestar interesse em investir em Cabo Verde. Segundo o responsável pela pasta das Finanças, 90 milhões de euros para o Fundo Soberano é um valor importante que pode ajudar a gerar milhares postos de trabalho, mas o Estado está disposto a “ir mais longe”.

“Há que ter sucesso, não existe dinheiro para dar, o risco será para o setor privado. Se o sistema funcionar há campo para aumentar o montante até ao valor que for preciso para fazermos mudança naquilo que for preciso para se criar emprego pela via do setor privado e não do Estado, reiterou.

Ler mais
Relacionadas

Governo de Cabo Verde cria fundo soberano de 90 milhões de euros

Com a constituição deste mecanismo, o executivo pretende, segundo o ministro das Finanças cabo-verdiano, alavancar os grandes projetos das empresas locais com dificuldades de encontrar financiamento junto da banca.
Recomendadas

Sérvulo estabelece parceria com sociedade de advogados em Cabo Verde

A MJN Advogados, de Maria João de Novais, é o novo escritório parceiro da Sérvulo & Associados.

“Em Lisboa emitimos mais de 15 mil passaportes nos últimos dois anos”, diz governo cabo-verdiano

O ministro dos Negócios Estrangeiros e Comunidades e da Defesa de Cabo Verde anunciou esta quinta-feira que os consulados e embaixadas de Cabo Verde já emitiram 35 mil passaportes, entre 2017 e 2018.

Banco Europeu de Investimento tem oportunidades de estágio para cabo-verdianos

A instituição bancária europeia tem um programa com oito estágios profissionais para oferecer estudantes universitários e/ou ou recém-licenciados dos países membros da associação ACP.
Comentários