Fusão entre BBVA e Sabadell pode custar seis mil empregos e encerrar 1.250 agências

Entre as duas entidades bancárias existem atualmente 4.240 agências, dos quais 2.521 pertencem ao BBVA e 1.719 ao Sabadell.

A previsível fusão do BBVA com o banco Sabadell pode vir a custar seis mil postos de trabalho e levar ao encerramento de 1.250 agências, de acordo com informações divulgadas pelo jornal espanhol “Cinco Dias” esta quarta-feira, 18 de novembro.

A redução de custos ascenderia a cerca de 800 milhões de euros em 2023, valor semelhante ao que o CaixaBank espera alcançar com a sua fusão com o Bankia, que é de 770 milhões de euros.

A maior parte dos despedimentos seriam efetuadas por reforma antecipada e outros por rescisões incentivadas, como tem acontecido até ao momento em grande parte das entidades financeiras que iniciaram estes processos de incorporação, segundo o jornal espanhol.

O banco Sabadell e os sindicatos decidiram ontem suspender até ao início da próxima semana as negociações para a redução de 1.800 funcionários planeadas pelo banco após a confirmação das negociações de fusão com o BBVA.

O CCOO, o primeiro sindicato do Banco Sabadell e do BBVA, também sugeriu a ambas as entidades que, se a fusão for finalmente concretizada, que seja articulado um acordo que proteja as condições de trabalho e de emprego do total de 46.365 pessoas. Destas, 29.475 correspondem ao quadro de funcionários do BBVA e 16.890 ao Banco Sabadell.

Entre as duas entidades bancárias existem atualmente 4.240 escritórios, dos quais 2.521 pertencem ao BBVA e 1.719 ao Sabadell.

Ler mais
Recomendadas

PremiumImparidades de 841,2 milhões de euros tiram 300 milhões ao lucro do BCP

O BCP teve lucros de 183 milhões de euros, menos 39,4% do que em 2019, graças às provisões de 841,2 milhões de euros no contexto Covid-19. Polónia e Fundos de Restruturação impactaram nas contas.

PremiumBloco de Esquerda questiona Novo Banco no Eurobic

Bloquistas perguntam ao Ministério das Finanças sobre a operação e o seu impacto.

Leia aqui a primeira edição do Quem é quem no sector financeiro em Portugal em 2021

A primeira edição do Quem é Quem no Sector Financeiro em Portugal do JE inclui entrevista ao presidente da Associação Portuguesa de Bancos, Fernando Faria de Oliveira, e as análises de Paulo Macedo, presidente da CGD, de Miguel Maya, presidente do BCP, de António Ramalho, presidente do Novo Banco, de Pedro Castro Almeida, presidente do Santander Totta, de João Pedro Oliveira e Costa, presidente do BPI, de Pedro Leitão, presidente do Montepio, Alberto Ramos, presidente do Bankinter Portugal e de Pedro Pimenta do Abanca Portugal.
Comentários