Futebol numa Catalunha dividida: Barcelona critica prisão de independentistas. Espanyol pede “respeito pela legalidade”

FC Barcelona, conhecido pelas suas posições mais independentistas, criticou a prisão dos independentistas. Já o Espanyol, que defende uma Espanha unida, pede respeito pelas leis do país.

A cidade de Barcelona, epicentro da Catalunha, acordou esta segunda-feira, 14 de outubro, com as sentenças de nove a 13 anos de cadeia para os ex-líderes catalães que tudo fizeram pela independência da região face a Espanha, em 2017. Em Barcelona, a política nunca foi álibi no futebol e hoje os principais clubes de futebol da região pronunciaram-se sobre a pena de prisão de Oriol Junqueras e outros políticos da região.

Num comunicado nas redes sociais, o FC Barcelona considerou que “a prisão não é solução”. “Da mesma forma que a prisão preventiva não ajudou a resolver o conflito, a prisão sentenciada hoje também não ajudará, porque a prisão não é a solução”, lê-se no comunicado do clube liderado por Josep Maria Bartomeu i Floreta.

Desde a sua fundação que a história do Barcelona, clube onde milita Lionel Messi, se confunde com a história social e política da Catalunha e de Espanha. “Més que un club”, é o seu lema (Mais que um clube). Sobre o precedente aberto pelos líderes políticos catalães em outubro de 2017, hoje o clube culè defende: “A resolução do conflito na Catalunha só ocorre exclusivamente por via do diálogo político. Agora mais do que nunca, o clube solicita a todos os políticos que conduzam um processo de diálogo e negociação para resolver esse conflito”.

Um diálogo que deverá “permitir a libertação” dos líderes políticos condenados”. Por isso, o “Barcelona também expressa todo o seu apoio e solidariedade às famílias daqueles que são privados de sua liberdade “, conclui o comunicado.

O rival Espanyol de Barcelona também se pronunciou sobre a sentença do Supremo Tribunal de Justiça espanhol e, contrariamente ao clube blaugrana, afirmou ser um clube “puramente desportivo” e como tal não representa “sentimentos ou as posições pessoais e individuais de todos os seus membros e adeptos “.

Contudo, tal como a equipa rival defende: “Incentivamos todas as autoridades públicas a procurar soluções políticas e democráticas através desta crise social, através do diálogo e dentro da estrutura legal e com o mais estrito respeito pela legalidade”.

O Espanyol de Barcelona diz também respeitar as “decisões judiciais” e lamenta “o sofrimento que, infelizmente, certas situações processuais podem gerar para os visados, as suas famílias”.

Ler mais
Relacionadas

Espanha: Supremo Tribunal condena ex-líderes catalães a penas entre nove e 13 anos de prisão pelo crime de sedição

O ex-vice-presidente da Generalitat, o governo da Catalunha, Oriol Junqueras obteve a pena mais elevado, ao ser condenado a 13 anos de prisão pelo crime de sedição.

Porque é que os líderes independentistas catalães foram condenados por sedição e não por rebelião?

A pena de prisão por sedição em Espanha atinge um máximo de 15 anos. Se fossem considerados culpados de rebelião, os ex-líderes catalães poderiam ser condenados a 30 anos de prisão. Qual a diferença entre a sedição e a rebelião?

Carles Puigdemont classifica condenação de ex-líderes catalães como “uma atrocidade”

O ex-chefe do governo regional da Catalunha utilizou a sua conta na rede social Twitter para afirmar que esta “na hora de reagir pelo futuro dos nossos filhos e filhas. Pela democracia. Para a Europa. Para a Catalunha”.
Recomendadas

Fórmula 1 quer corridas com zero emissões poluentes até 2030

O plano da Federação Internacional Automóvel (FIA) passa por duas fases distintas: a primeira até 2025, onde a entidade quer que as corridas se tornem mais sustentáveis e depois até 2030 a neutralidade total ao nível do carbono.

Louis Saha: “Premier League pode perder talento para Espanha e Itália por causa do Brexit”

O antigo avançado do Manchester United olha com pessimismo para a saída do Reino Unido da União Europeia e tem dificuldade em aceitar que este processo não vá causar mossa à melhor liga de futebol do mundo.

Adidas vai fechar duas fábricas operadas por robôs em 2020

Anunciadas para aproximar os produtos aos mercados principais da marca, as fábricas da Alemanha e dos Estados Unidos, vão fechar após quatro anos de funcionamento. A Reuters aponta que o encerramento poderá dever-se aos custos terem superado o previsto.
Comentários