Caso das viagens do Euro2016 chega ao PSD: Parlamento levanta imunidade de deputado

e

Ministério Público pediu o levantamento da imunidade do deputado do PSD, Cristóvão Norte, que assistiu a um jogo do Euro 2016, para ser ouvido e constituído arguido.

Ler mais

A Assembleia da República aprovou esta quarta-feira, por unanimidade, o levantamento da imunidade do deputado do PSD Cristóvão Norte para depor sobre o caso das viagens da Galp, na sequência de um pedido do Ministério Público. O deputado foi ver um jogo do Euro 2016 a convite da petrolífera.

O Jornal Económico apurou que o processo foi iniciado a pedido de Cristóvão Norte. O pedido de levantamento de imunidade terá dado entrada na Assembleia da República na segunda-feira, enviado por um juiz de instrução criminal do Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa, segundo o Observador.

Entende o MP que outros pedidos ou documentação dão entrada na AR que por sua vez remete para a subcomissão de Ética, onde o deputado Paulo Rios redigiu o relatório. Paulo Rios esclareceu ao Observador que o social-democrata “quis depor presencialmente”.

Cristóvão Nobre é eleito por Faro e faz parte da Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa (COFMA) como suplente, da Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, da Comissão de Agricultura e Mar e do grupo de trabalho de turismo.

Até ao momento, segundo a PGR, foram constituídos arguidos no inquérito foram os três secretários de Estado exonerados dos Assuntos Fiscais, Internacionalização e Indústria, Fernando da Rocha Andrade, Jorge Oliveira e Costa e João Vasconcelos, respetivamente, assim como um chefe de gabinete,  um ex-chefe de gabinete e um assessor governamental.

Nesta investigação, que corre termos no DIAP de Lisboa, o Ministério Público é coadjuvado pela Polícia Judiciária.

(Notícia atualizada às 23hoo)

Relacionadas
‘GalpGate’: “Viajámos a expensas próprias”, garante Luís Montenegro
Líder parlamentar do PSD afirmou hoje não ter conhecimento de “nenhuma investigação” que o envolva a propósito das viagens ao Euro2016, assegurando que tanto ele como outros dois deputados sociais-democratas viajaram por conta própria.
DIAP vai interrogar ex-secretários de Estados esta semana
Fernando Rocha Andrade, Jorge Oliveira e João Vasconcelos, considerados, pelo Ministério Público, arguidos do intitulado “caso das viagens da Galp”, vão ser ouvidos esta semana.
GalpGate: Rocha Andrade já foi notificado para ser constituído arguido
O Ministério Público notificou, nesta terça-feira, o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais para ser constituído arguido, confirmou ao Jornal Económico fonte oficial do Ministério das Finanças. Fernando Rocha Andrade estava no Parlamento e ainda não tinha tomado conhecimento.
GalpGate: Rocha Andrade diz que sabia de inquérito, mas desconhecia vir ser arguido
O governante demissionário admite que teve conhecimento do inquérito antes de tomar a decisão de pedir a sua exoneração ao chefe do Governo. Mas afasta qualquer informação no sentido de vir a ser constituído arguido antes do pedido a António Costa. E reitera que não cometeu um ato ilícito.
Galp admite possibilidade de ser constituída arguida
Petrolífera defende que tudo o que fez foi dentro da lei e diz que tem colaborado com o Ministério Público no âmbito do inquérito, mas admite possibilidade de ser constituída arguida.
Recomendadas
Sporting: “Não podemos desistir da ‘guerra’ jurídica”, garante Bruno de Carvalho
Bruno de Carvalho e Alexandre Godinho consideram-se “juridicamente vinculados a impugnar todos os actos que decorram ou sejam tomados na sequência das ilegalidades cometidas”.
Joana Marques Vidal deverá continuar na PGR
O semanário “Expresso” revela que falta apenas ouvir os partidos com assento parlamentar. António Costa e Marcelo Rebelo de Sousa já terão combinado a data e a forma de anunciar a recondução.
PGR de Angola admite investigar denúncias do ex-presidente da comissão executiva do BESA
Segundo o magistrado Hélder Pitta Grós, ainda não há registo de nenhuma denúncia formal sobre as revelações de Álvaro Sobrinho, em entrevista à Televisão Pública de Angola, que dão conta de que o banco faliu por uma decisão política dos acionistas do banco e não por insolvência.
Comentários