Ganhos da energia e disparo de 7% da Pharol beneficiam bolsa nacional

As bolsas europeias continuam a reagir em alta ao resultado das eleições intercalares nos Estados Unidos, depois de eliminada a incerteza e de os resultados terem saído em linha com o esperado.

Reuters

A bolsa nacional está a negociar em alta, a meio da manhã desta quinta-feira, dia 8 de novembro, beneficiada pelos ganhos da energia e pelo disparo de mais de 7% da Pharol. O principal índice do bolsista português, PSI 20, soma 0,18% para 5.024,47 pontos e acompanha a Europa em alta. As principais bolsas europeias continuam a reagir em alta ao resultado das eleições intercalares nos Estados Unidos, depois de eliminada a incerteza e de os resultados terem saído em linha com o esperado.

A Pharol é a cotada que mais sobe no índice, estando a disparar 7,76% para 0,177 euros. A beneficiar a Pharol está o anúncio de que foi aprovado um novo aumento de capital pela Oi, empresa brasileira de telecomunicações, da qual a Pharol já foi a principal acionista.

A empresa brasileira tenta com este aumento de capital conseguir uma capitalização de 4 mil milhões de reais depois de ter feito um aumento de capital por conversão de créditos. A diluição da posição acionista justifica as démarches sucessivas da Pharol contra o aumento de capital da Oi.

No setor da energia, a EDP soma 0,74% para 3,133 euros, a EDP Renováveis sobe 0,19% para 7,870 euros, a Galp Energia avança 1,13% para 15,170 euros e a REN valoriza 1,17% para 2,416 euros.

Em terreno positivo estão ainda a Altri (0,67%), a Corticeira Amorim (1,13%) e a Semapa (0,88%).

A negociar em contraciclo destaca-se o setor do retalho: a Sonae perde 0,29% para 0,861 euros e a Jerónimo Martins recua 0,69% para 10,740 euros. Em queda seguem também o BCP (-0,68%), a NOS (-1,06%), a Navigator (-0,14%), a Mota-Engil (0,90%), a Ibersol (-0,24%), a Sonae Capital (-0,40%)

As restantes praças europeias estão também a negociar em alta. O índice alemão DAX soma 1,07%, o francês CAC valoriza 1,43%, o italiano FTSE MIB aprecia 1,42%, o holandês AEX ganha 1,24%, o britânico FTSE 100 avança 1,30% e o espanhol IBEX 35 sobe 1,53%.

Os investidores estão a reagir aos resultados das eleições intercalares dos Estados Unidos. “Os democratas dominaram a Câmara dos Representantes e os republicanos o Senado. Com as forças equilibradas, não se espera que Trump consiga aprovação para nova reforma fiscal, no entanto, também será mais difícil aprovar legislação contra o comércio externo, principalmente contra as importações da China”, explica Carla Maia Santos, corretora sénior da XTB.

Esta quinta-feira há reunião da Reserva Federal norte-americana (Fed), mas não é esperado que haja um aumento das taxas de juro. Carla Maia Santos diz que deve manter-se “um discurso positivo quanto ao decorrer da economia norte-americana”. “A Fed aumentou as taxas de referência em Setembro e os analistas esperam que só em Dezembro voltem a subir as taxas. Esta reunião deverá ter pouco impacto nos mercados”, acrescenta.

No setor petrolífero, a cotação do barril de Brent, que serve de referência para a Europa, soma 0,94% para 72,75 euros, enquanto a cotação do crude WTI sobe 0,86%, para 62,20 dólares por barril.

No mercado cambial, o euro deprecia ligeiramente 0,02% para 1,142 dólares e a libra ganha 0,06% para 1,313 dólares.

Ler mais
Recomendadas

Contenção nos mercados, com olhos no ‘Brexit’ e nos EUA, pedem analistas

Especialistas consideram que 2019 será um ano melhor que 2018, mas é preciso cautela porque um ‘hard Brexit’ pode agitar os mercados e ter consequências que podem assemelhar-se às da falência do Lehman Brothers em 2008.

“O BCE não vai ter condições para subir taxas de juro em 2019”

A inversão do ciclo nos mercados ainda não chegou, mas está a caminho, refere o analista. No cenário mais pessimista é até mais provável que o BCEreinicie o programa de compras que aumentar taxas.

Wall Street encerra em alta com China a poder aumentar importações americanas no valor de 1 trilião de dólares

A China poderá aumentar as importações de produtos norte-americanos que, no total, valem mais de 1 bilião de dólares, o que reduziria o déficit comercial que os EUA têm no comércio com os chineses.
Comentários