PremiumGita Gopinath: Americana de Calcutá acaba de entrar para a história do FMI

É a primeira mulher a ser nomeada economista-chefe do Fundo Monetário Internacional. Deixa Harvardpara dirigir o departamento de pesquisas económicasde uma das mais poderosas instituições internacionaise promete refletir sobre a distribuição da riquezana era da globalização.

Entusiasmada e honrada. É assim que Gita Gopinath, a mais recente economista-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI), descreve o estado de alma após receber a notícia de que seria nomeada para o cargo ocupado pela primeira vez na história daquela organização internacional por uma mulher.

A norte-americana nascida em Calcutá,  no leste da Índia perto da fronteira com o Bangladesh, prepara-se, aos 46 anos, para enfrentar um dos maiores desafios da carreira: chefiar o departamento responsável pelos estudos e projeções económicas de uma das mais poderosas instituições internacionais, na qual o multilateralismo e a globalização já fazem parte do léxico habitual.

“Este é um trabalho muito entusiasmante para mim, dadas as áreas em que trabalho como macroeconomista internacional”, descreveu Gopinath em entrevista à “The Harvard Gazette”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Ministro do Planeamento: Governo quer ter 100% do Portugal 2020 aprovado até ao fim do ano e uma execução de 50%

Nelson de Souza revelou em entrevista à Antena1/Negócios que as aprovações em curso, ao longo de 2019, dos fundos de coesão – sem contar com a agricultura – vão corresponder a um total de 5 mil milhões de euros.

Agência Espacial: Portugal pretende multiplicar negócios por dez até 2030

Acabada de criar, a Agência Espacial Portuguesa é vista pelo ministro da Ciência, Manuel Heitor, como a força capaz de criar mil empregos e gerar uma faturação de 400 milhões de euros até ao fim da próxima década.

Conclusões de Tancos vão ditar futuro da PJ Militar

Alegado envolvimento e comprometimento da investigação a Tancos pela PJ Militar desagrada a todos os partidos. Deputados aguardam encerramento da comissão de inquérito para proporem mudanças. Existência dessa entidade pode ser reconsiderada.
Comentários