PremiumGita Gopinath: Americana de Calcutá acaba de entrar para a história do FMI

É a primeira mulher a ser nomeada economista-chefe do Fundo Monetário Internacional. Deixa Harvardpara dirigir o departamento de pesquisas económicasde uma das mais poderosas instituições internacionaise promete refletir sobre a distribuição da riquezana era da globalização.

Entusiasmada e honrada. É assim que Gita Gopinath, a mais recente economista-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI), descreve o estado de alma após receber a notícia de que seria nomeada para o cargo ocupado pela primeira vez na história daquela organização internacional por uma mulher.

A norte-americana nascida em Calcutá,  no leste da Índia perto da fronteira com o Bangladesh, prepara-se, aos 46 anos, para enfrentar um dos maiores desafios da carreira: chefiar o departamento responsável pelos estudos e projeções económicas de uma das mais poderosas instituições internacionais, na qual o multilateralismo e a globalização já fazem parte do léxico habitual.

“Este é um trabalho muito entusiasmante para mim, dadas as áreas em que trabalho como macroeconomista internacional”, descreveu Gopinath em entrevista à “The Harvard Gazette”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Diferença entre ricos e pobres baixa mas Portugal ainda é dos países mais desiguais da UE

Em causa estão dados divulgados esta quinta-feira pelo gabinete de estatísticas da UE, o Eurostat, que têm por base 20% dos rendimentos mais altos e os 20% dos mais baixos da população em toda a União.

Ditadores “inteligentes” atraem mais investidores estrangeiros, revela estudo

De acordo com a Bloomberg, que analisou o estudo publicado pelo Instituto da economia em transição do Banco da Finlândia, estes investimentos são ainda mais significativos, quando efetivamente o líder do regime possui diplomas universitários ao nível da economia, e em especial quando a estes se junta a experiência no mundo dos negócios.

Guterres: “Procurar um protagonismo que limite a minha capacidade de exercer o meu mandato, por vaidade pessoal, seria um ato de profunda estupidez”

O secretário-geral das Nações Unidas defende a reforma política da organização, mas destaca a dificuldade das mudanças devido à resistência dos membros do conselho permanente: Estados Unidos da América, Rússia, França, Reino Unido e China.
Comentários