GNR regista 588 acidentes, três mortos e 10 feridos na Operação ‘Ano Novo’

A Guarda Nacional Republicana registou nos cinco dias da Operação “Ano Novo” mais acidentes e mais feridos graves, mas menos vítimas mortais do que na operação de 2016/2017, segundo dados da corporação.

A Guarda Nacional Republicana (GNR) registou nos cinco dias da Operação “Ano Novo” mais acidentes e mais feridos graves, mas menos vítimas mortais do que na operação de 2016/2017, segundo dados da corporação.

De acordo com os últimos dados disponíveis no ‘site’ da GNR, atualizados às 24:00 de terça-feira, foram registados na Operação “Ano Novo” deste ano, que durou mais um dia do que a do ano passado, 588 acidentes, três vítimas mortais e 10 feridos graves.

A GNR registou ainda um total de 339 feridos ligeiros. A Guarda Nacional Republicana intensificou desde sexta-feira (dia 29) e até às 24 horas de terça-feira o patrulhamento rodoviário nas vias de maior tráfego no âmbito da operação “Ano Novo”.

De acordo com a GNR, o reforço do patrulhamento nas estradas teve como objetivo “prevenir a sinistralidade rodoviária, garantir a fluidez do tráfego e apoiar todos os utentes das vias, no sentido de lhes proporcionar uma deslocação em segurança”.

Recomendadas

Al Gore ‘substitui’ Barack Obama no Climate Change Leadership Porto

O Prémio Nobel e ex-vice-presidente dos Estados Unidos estará no Porto em março para uma conferência focada nos desafios que as alterações climatéricas representam para a indústria mundial do vinho.

Juiz Carlos Alexandre alvo de inquérito disciplinar

Em causa está o facto de ter contestado o sorteio do processo que envolve o ex-primeiro ministro José Sócrates.

Chefe do Estado-Maior do Exército pede demissão do cargo

Rovisco Duarte colocou o lugar à disposição. Novo ministro da Defesa já aceitou o pedido do chefe do Estado-Maior do Exército.
Comentários