Godinho reuniu-se com Carlos Tavares, Elisa Ferreira e Vieira da Silva para falar das eleições à Mutualista

Estas reuniões, pedidas pelo principal candidato da Lista C, António Godinho, decorreram já na semana passada e hoje, dia 3 de dezembro, segunda-feira, foi a vez de se reunir com o ministro que tutela a Associação Mutualista.

António Godinho, candidato a presidente do conselho de administração da Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG) pela Lista C, teve já reuniões de trabalho no Banco de Portugal, na Caixa Económica Montepio Geral e no Ministério da Solidariedade e Segurança Social, anunciou a candidatura em comunicado.

Estas reuniões, pedidas pelo principal candidato da Lista C, António Godinho, decorreram já na semana passada e hoje, dia 3 de dezembro, segunda-feira, foi a vez de se reunir com o ministro que tutela a Associação Mutualista.

Na semana passada António Godinho reuniu com Carlos Tavares, CEO da Caixa Económica, e foi recebido por Elisa Ferreira, vice-governadora do Banco de Portugal, na sequência de cartas enviadas a 26 de novembro àquelas entidades.

Hoje António Godinho foi recebido por José Vieira da Silva, ministro da Solidariedade e Segurança Social.

“Os encontros de António Godinho com Carlos Tavares, Elisa Ferreira e Vieira da Silva tiveram como finalidade apresentar a apreensão da Lista C quanto ao processo eleitoral, mas essencialmente transmitir uma mensagem de serenidade e de confiança no futuro em caso de eleição da Lista C, como se espera”, diz a candidatura da Lista C em comunicado.

Recomendadas

CGD, Santander Totta, BPI e BCP fecham 2018 com menos 1.071 trabalhadores e 254 balcões

Os quatro bancos que já apresentaram contas e dados relativos a 2018 passaram de 27.221 trabalhadores em 2017 para 26.150 em 2018.

Bancos que apresentaram contas de 2018 aumentaram lucros em mais de 1.100 milhões

Os bancos em causa são a Caixa Geral de Depósitos (CGD), o Santander Totta, o BPI e o BCP. De fora destas contas ficam o Banco Montepio e o Novo Banco, que ainda não apresentaram contas relativas ao ano passado.

Maiores bancos desfizeram-se de pelo menos 5.719 milhões em crédito malparado em 2018

Os bancos alienam carteiras de crédito malparado para melhorarem os seus balanços e também cumprirem as exigências de reguladores e supervisores bancários, que consideram que estes ativos ‘tóxicos’ são a principal fragilidade do sistema bancário português.
Comentários