Goldman Sachs estima que lucros caiam 5 mil milhões devido à reforma de Trump

O grupo acredita que a nova tributação, aprovada na semana passada, traga uma queda nos resultados do quarto trimestre.

O grupo Goldman Sachs anunciou esta sexta-feira que espera uma queda de cinco mil milhões de dólares (4,2 mil milhões de euros) nos lucros do quarto trimestre de 2017 devido à nova lei tributária dos Estados Unidos da América, que teve ‘luz verde’ há exatamente uma semana passada.

A informação do banco consta de um comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos da América [U.S. Securities and Exchange Commission], citando pelas agências internacionais, e salienta que o impacto da reforma fiscal pode ser diferente da estimativa.

A reforma fiscal da administração de Donald Trump, a mais ambiciosa dos últimos 30 anos nos Estados Unidos da América, inclui uma baixa significativa de impostos sobretudo para as empresas e os mais ricos e também traz algum desagravamento fiscal aos trabalhadores e famílias.

Trata-se de um triunfo legislativo do primeiro ano do mandato do 45º presidente norte-americano, uma vez que gera alterações significativas na tributação das grandes empresas. O imposto pago pelas empresas passa de 35% para 21%. ‘Afunda’, portanto, 14 pontos percentuais.

Respostas Rápidas: O que precisa saber sobre a maior reforma fiscal em três décadas nos EUA?

Ler mais
Relacionadas

Reforma fiscal não chegou para animar Wall Street

Principais índices norte-americanos terminaram semana a desvalorizar. Reforma fiscal assinada por Trump não chegou para animar investidores.

Plano de reforma fiscal deixa círculo de amigos de Donald Trump “mais ricos”

Só Donald Trump vai conseguir poupar até 15 milhões de dólares por ano (cerca de 12,6 milhões de euros) com o pagamento de impostos.
Recomendadas

Italiano BFF Banking Group abre sucursal em Lisboa

O BFF Banking Group, cotado na Bolsa de Milão desde 2017, apresenta-se como líder especializado na gestão de cobranças e no factoring de pagamentos a receber da administração pública e dos sistemas de assistência médica na UE.

Moody’s: ratings do BCP, CGD e BPI sobem dois níveis

Moody’s sobe ratings da banca nacional depois de tirar Portugal de ‘lixo’. CGD, BCP, BPI, Montepio e Santander viram as classificações subir na sequência da subida do rating da República.

“Empresas têm de consolidar resistência ao impacto das alterações climáticas”, alerta Zurich

Divulgado na Climate Week NYC – encontro anual de investidores, governantes, CEO de diferentes empresas e cientistas, que decorre em Nova Iorque – o relatório destaca a eventual insuficiência dos esforços realizados para travar o aquecimento global.
Comentários