Gonçalo Reis eleito para o Conselho de Administração Executivo da EBU

A estação publica integra pela primeira vez este órgão executivo da EBU (União Europeia de Radiodifusão). A eleição decorreu hoje, na Assembleia Geral da EBU em Genebra.

Cristina Bernardo

O Presidente do Conselho de Administração da RTP, Gonçalo Reis, foi hoje eleito para o Conselho de Administração Executivo da União Europeia de Radiodifusão.

“A RTP passa a integrar a administração executiva da EBU, associação europeia de operadores públicos de média”, diz o presidente do canal de televisão do Estado na sua página no Facebook.

A EBU integra 119 organizações, de 56 países, que representam uma audiência potencial de mais de mil milhões de pessoas.

“Isto abre uma série de oportunidades à empresa: tecnologia, formação, intercâmbio de conteúdos, co-produções, informação sobre tendências e melhores práticas dos operadores de referência, e é mais um passo na afirmação da RTP no contexto internacional”, adianta Gonçalo Reis.

A estação publica integra pela primeira vez este órgão executivo da EBU (União Europeia de Radiodifusão).

A eleição decorreu hoje, na Assembleia Geral da EBU em Genebra.

Segundo o comunicado da RTP esta eleição é o “reconhecimento internacional da capacidade da instituição em várias áreas, com destaque para a organização do Festival Eurovisão da Canção em 2018; a valorização de projetos inovadores a nível europeu, como é exemplo os arquivos RTP online; a liderança da RTP no comité digital da EBU, passando pela organização de eventos e assembleias temáticas da EBU que têm decorrido em Portugal”.

 

Ler mais
Recomendadas

Monte da Ravasqueira: Das adegas alentejanas para as mesas da China e dos EUA

Negócio de vinhos do Grupo José de Mello isolou as exportaçõese a criação de valor como vetores de desenvolvimento. No ano passado,o volumede negócios disparou 30%e a tendência mantém-se positiva em 2019.

Clientes são os vencedores do ‘confronto’ entre FinTech e a banca

Com a aposta no digital, a banca segue o exemplo das FinTech em identificar soluções para resolver as exigências dos clientes.

Portugal e Cabo Verde no topo da liberdade de imprensa

Os Repórteres Sem Fronteiras referem que, “apesar de os jornalistas serem mal pagos” e haver mais “insegurança no trabalho”, em Portugal, “o ambiente investigativo é relativamente calmo”. De Cabo Verde exaltam a “ausência de ataques” a estes profissionais.
Comentários