Google vai renunciar a colaboração militar com Pentágono

O contrato vinha sendo contestado pelos funcionários e motivou inclusive uma petição subscrita por mais de 4.000 trabalhadores.

Steve Marcus/Reuters
Ler mais

A Google vai renunciar a uma colaboração em matéria de inteligência artificial com o Pentágono, um contrato que provocou uma grande agitação entre os funcionários da gigante tecnológica.

Um dirigente do grupo informou, na passada sexta-feira, os empregados que o contrato com o Departamento de Defesa dos Estados Unidos da América não será renovado assim que expirar no próximo ano, noticiam o jornal New York Times e o ‘site’ especializado Gizmodo, citados pela France-Press.

Questionada pela agência de notícias francesa, a Google não respondeu.

Avaliado pela imprensa em menos de dez milhões de dólares (cerca de 8,5 milhões de euros), o contrato – sobre o qual a Google mantém-se discreta – desencadeou nas últimas semanas a indignação de milhares de funcionários da empresa, que consideravam esta colaboração com os militares contrária aos valores da Google.

Em meados de maio, uma petição lançada em fevereiro para pedir à Google para ficar de fora “do comércio da guerra” foi subscrita por mais de 4.000 funcionários, sendo que uma dúzia ameaçou mesmo demitir-se, embora se desconheça se tal sucedeu.

“Exigimos que o projeto ‘Maven’ seja anulado e que a Google escreva, torne pública e implemente uma política clara dizendo que a Google ou as suas subcontratadas nunca vão desenvolver tecnologia de guerra”, refere a petição.

O projeto em causa concentra-se em drones e no uso de inteligência artificial para ajudar aqueles aparelhos a distinguir melhor os seres humanos dos objetos.

Organizações como a Electronic Frontier Fundation ou o Comité Internacional para o Controlo de Armas Robôs consideraram que tal abre caminho à eliminação de toda a intervenção humana nas missões dos drones.

Os militares dos Estados Unidos da América e de outros países usam drones, remotamente controlados por pessoas, para missões de reconhecimento, inteligência ou efetuar bombardeamentos, por exemplo no Afeganistão.

A Google, mas também a Microsoft ou a Amazom, estão a tentar alcançar um contrato com o Pentágono que pretende utilizar a computação em nuvem.

Recomendadas

Ministro da Economia pela primeira vez no Modtissimo

Manuel Caldeira Cabral vai estar no mais antigo certame ibérico do setor, que este ano espera mais de 400 compradores internacionais.

Autoestradas nacionais: uma rede a funcionar ao contrário

Um estudo da Associação Comercial do Porto afirma que a rede é ineficiente, cara e não serve os propósitos da sua criação. O Governo parece estar de acordo.

Nuno Amado: “Taxas de juro do crédito no último ano demonstram que a concorrência foi normalizada em Portugal”

Em entrevista ao jornal “Público” o agora presidente não executivo do BCP fala das mudanças no banco e também da exposição que os bancos portugueses tiveram no mercado internacional.
Comentários