Governador do Banco de Portugal pediu escusa de assuntos da Caixa Geral de Depósitos em novembro

O supervisor veio a público esta segunda-feira garantir que Carlos Costa não lida com “situações abrangidas pela auditoria” da EY à Caixa há três meses.

O governador do Banco de Portugal pediu escusa de assuntos relacionados com a Caixa Geral de Depósitos há três meses, desde o início de novembro. Carlos Costa foi administrador do banco público entre 2004 e 2006.

“O Governador esclarece que o pedido de escusa relativamente à participação em deliberações do Banco de Portugal sobre situações abrangidas pela auditoria da EY à CGD foi apresentado na ocasião da primeira deliberação tomada neste âmbito, em 6 de novembro de 2018, e nessa data aceite pelo Conselho de Administração”, segundo um comunicado divulgado esta segunda-feira pela instituição.

O governador já tinha vindo a público na sexta-feira, 8 de fevereiro, rejeitar qualquer responsabilidade pelos créditos concedidos pela Caixa Geral de Depósitos (CGD), no período em que foi administrador, entre abril de 2004 e setembro de 2006. Carlos Costa disse então que tinha pedido ainda para não participar nas decisões do supervisor bancário sobre a auditoria da EY aos atos de gestão na Caixa entre 2000 e 2015, que concluiu por negócios ruinosos de 1,6 mil milhões de euros. O pedido de escusa foi aceite pelo conselho de administração.

A reacção de Carlos Costa na sexta-feira surgiu depois de o Jornal Económico ter noticiado que o governador do BdP fica de fora do exame de idoneidade que está a ser feito pelo regulador aos ex-gestores do banco público, nos sentido de apurar eventuais responsabilidades nos atos de gestão que resultaram em elevados prejuízos para o banco público. Um escrutínio que não incide sobre o governador, apesar de este, segundo a revista Sábado, ter participado em pelo menos quatro reuniões do conselho alargado de crédito que aprovaram financiamentos a Joe Berardo e Manuel Fino, num total de 223 milhões de euros, que geraram perdas para o banco público de 161 milhões de euros, segundo o relatório final da auditoria da EY à gestão da Caixa.

 

Carlos Costa pede escusa nas decisões do Banco de Portugal sobre auditoria à CGD

 

Ler mais
Recomendadas

Clientes são os vencedores do ‘confronto’ entre FinTech e a banca

Com a aposta no digital, a banca segue o exemplo das FinTech em identificar soluções para resolver as exigências dos clientes.

Ana Gomes: “Maior roubo organizado das poupanças dos depositantes no BES”

A acusação é de Ana Gomes. Do BES partiram 7,9 mil milhões de euros, 80% das transferências que ficaram omissas no sistema informático da AT.

Diretiva PSD2 e a difícil arte de regular tecnologia

A tecnologia evolui a um ritmo mais acelerado que a regulação e dificulta a tarefa de legislar os serviços de pagamento.
Comentários