Governador do Banco de Portugal pediu escusa de assuntos da Caixa Geral de Depósitos em novembro

O supervisor veio a público esta segunda-feira garantir que Carlos Costa não lida com “situações abrangidas pela auditoria” da EY à Caixa há três meses.

O governador do Banco de Portugal pediu escusa de assuntos relacionados com a Caixa Geral de Depósitos há três meses, desde o início de novembro. Carlos Costa foi administrador do banco público entre 2004 e 2006.

“O Governador esclarece que o pedido de escusa relativamente à participação em deliberações do Banco de Portugal sobre situações abrangidas pela auditoria da EY à CGD foi apresentado na ocasião da primeira deliberação tomada neste âmbito, em 6 de novembro de 2018, e nessa data aceite pelo Conselho de Administração”, segundo um comunicado divulgado esta segunda-feira pela instituição.

O governador já tinha vindo a público na sexta-feira, 8 de fevereiro, rejeitar qualquer responsabilidade pelos créditos concedidos pela Caixa Geral de Depósitos (CGD), no período em que foi administrador, entre abril de 2004 e setembro de 2006. Carlos Costa disse então que tinha pedido ainda para não participar nas decisões do supervisor bancário sobre a auditoria da EY aos atos de gestão na Caixa entre 2000 e 2015, que concluiu por negócios ruinosos de 1,6 mil milhões de euros. O pedido de escusa foi aceite pelo conselho de administração.

A reacção de Carlos Costa na sexta-feira surgiu depois de o Jornal Económico ter noticiado que o governador do BdP fica de fora do exame de idoneidade que está a ser feito pelo regulador aos ex-gestores do banco público, nos sentido de apurar eventuais responsabilidades nos atos de gestão que resultaram em elevados prejuízos para o banco público. Um escrutínio que não incide sobre o governador, apesar de este, segundo a revista Sábado, ter participado em pelo menos quatro reuniões do conselho alargado de crédito que aprovaram financiamentos a Joe Berardo e Manuel Fino, num total de 223 milhões de euros, que geraram perdas para o banco público de 161 milhões de euros, segundo o relatório final da auditoria da EY à gestão da Caixa.

 

Carlos Costa pede escusa nas decisões do Banco de Portugal sobre auditoria à CGD

 

Ler mais
Recomendadas

Trabalhadores do Montepio temem que instabilidade se reflita nos resultados anuais

A Comissão de Trabalhadores refere-se às “sucessivas alterações” nos órgãos sociais do Banco Montepio. Os trabalhadores queixam-se ainda do modelo de progressão de carreiras e querem ser envolvidos no Plano de Transformação anunciado por Carlos Tavares.

CMVM, Banco de Portugal e ASF na nova autoridade de resolução

A reforma da supervisão financeira inclui a criação de uma autoridade de resolução bancária que vai ter na administração dois membros do BdP, um da CMVM, um da ASF e um quinto, que virá de fora.

Inibição e Idoneidade de Tomás Correia estão atribuídas a diferentes reguladores

O Governo reagiu ontem às declarações do presidente da Autoridade de Seguros e Fundos de Pensões (ASF), de sexta-feira à agência Lusa e que hoje estão reproduzidas no jornal Expresso, dizendo que cabe ao regulador dos seguros pronunciar-se sobre a idoneidade de Tomás Correia.
Comentários