Governo admite voltar a antecipar pagamentos de dívida ao FMI

Em vésperas da entrega do Orçamento para 2019, Ricardo Mourinho Félix avisou as bancadas do Bloco de Esquerda e do PCP: que “não se podem fazer compromissos de despesa permanentes sem ter receitas sustentáveis””, avança a TSF.

Cristina Bernardo

O Secretário de Estado adjunto e das Finanças diz que “pagamentos antecipados permitiram poupar nesta legislatura mais de 850 em juros. Governo espera que agências de rating coloquem a dívida num grau de investimento”, avança a TSF.

O Governo admitiu assim esta quinta-feira que Portugal regresse em breve aos pagamentos antecipados da dívida contraída junto do FMI e transmitiu a expetativa de que as principais agências de ‘rating’ coloquem a dívida portuguesa num grau de investimento.

Estas ideias foram transmitidas pelo secretário de Estado Adjunto do ministro das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, na Assembleia da República, num debate sobre dívida pública e externa.

Na intervenção de abertura do debate, o secretário de Estado defendeu a tese da sustentabilidade da dívida portuguesa, se for seguida uma política de “responsabilidade orçamental que perdure nas próximas legislaturas”, e estimou que o país, nos últimos três anos, tenha já poupado cerca de 1.400 milhões de euros em juros da dívida pública.

Avança a TSF que os pagamentos antecipados ao FMI (Fundo Monetário Internacional) permitiram poupar nesta legislatura mais de 850 milhões de euros em juros – e 83% deste empréstimo já está pago. Continuaremos a otimizar a gestão da dívida através dos instrumentos disponíveis e é realista pensar na possibilidade de novos pagamentos antecipados do empréstimo ao FMI”.

O Executivo garante que Portugal “já tem praticamente cobertas todas as necessidades de financiamento” mas avisa que “o ambiente externo é cada vez mais desafiante”.

Em vésperas da entrega do Orçamento para 2019, Ricardo Mourinho Félix avisou as bancadas do Bloco de Esquerda e do PCP: que “não se podem fazer compromissos de despesa permanentes sem ter receitas sustentáveis”. Durante o debate, o secretário de Estado considerou que a dívida portuguesa é sustentável se for mantida “uma política de “responsabilidade orçamental”.

 

Ler mais
Recomendadas

Professores que queiram fasear progressões têm de avisar até 30 de junho

Este ano, o Governo estima que 30 mil professores terão progressões. Sem esta possibilidade de faseamento, apenas 13 mil docentes iriam progredir e assim mais 17 mil podem saltar de escalão.

Associações de militares, GNR e polícia marítima contra diploma de carreiras especiais

Associações profissionais de militares, da Guarda Nacional Republicana e da Polícia Marítima criticaram esta terça-feira o decreto-lei sobre as carreiras especiais publicado na segunda-feira, que consideram injusto por não corrigir as consequências do tempo de serviço congelado.

Paulo Morais: “As pessoas têm a ideia de que os políticos abandonam as populações, e têm razão”

Rosto da luta pela transparência e do combate à corrupção em Portugal, o cabeça de lista do Nós, Cidadãos quer levar ao Parlamento Europeu uma alternativa de centro empenhada em representar melhor os eleitores portugueses. Escrutínio à aplicação dos fundos comunitários, equidade fiscal e contacto direto com o eleitorado são ideias fortes de uma candidatura que espera repetir o sucesso de Marinho e Pinto nas europeias de 2014.
Comentários