Governo aperta controlo à entrada de funcionários no Estado e cria megabase de dados

A nova portaria referente à Administração Pública pretende poupar, controlar entradas e agilizar o recrutamento,

Cristina Bernardo

O Governo vai implementar uma medida que prevê que os concursos para a entrada no Estado passem a ser feitos de forma centralizada, revela o “Público” na edição desta sexta-feira. A nova portaria referente à Administração Pública (AP) pretende poupar, controlar entradas e agilizar o recrutamento, segundo o matutino do grupo Sonae.

Já o “Jornal de Negócios” salienta a megabase de dados dos trabalhadores do Estado com a caracterização dos serviços da AP e seus recursos humanos. O diploma sobre esta questão ainda tem de passar pelo parlamento.

“Importa proceder à reforma e robustecimento do sistema de informação à alteração da estrutura de informação e caracterização das entidades públicas e dos respectivos recursos humanos, de forma a obter dados mais ricos que potenciem e fundamentem a elaboração de análises estatísticas e de estudos técnicos”, argumenta o decreto-lei a que o diário de economia teve acesso.

Recomendadas

Agência Espacial: Portugal pretende multiplicar negócios por dez até 2030

Acabada de criar, a Agência Espacial Portuguesa é vista pelo ministro da Ciência, Manuel Heitor, como a força capaz de criar mil empregos e gerar uma faturação de 400 milhões de euros até ao fim da próxima década.

Conclusões de Tancos vão ditar futuro da PJ Militar

Alegado envolvimento e comprometimento da investigação a Tancos pela PJ Militar desagrada a todos os partidos. Deputados aguardam encerramento da comissão de inquérito para proporem mudanças. Existência dessa entidade pode ser reconsiderada.

Economistas destacam otimismo do Governo para 2019 e pouca ambição na reforma do Estado

O Governo apresentou em 15 de abril o Programa de Estabilidade 2019-2023, o último da atual legislatura, no qual reviu em baixa o crescimento económico para este ano, prevendo uma expansão de 1,9%, um decréscimo de 0,3 pontos percentuais face aos 2,2% inscritos no Orçamento do Estado, mas que supera as previsões dos restantes organismos.
Comentários