Governo aprova garantia de 150 milhões para indemnizar os lesados do BES

O valor destina-se a pagar indemnizações aos cerca de dois mil clientes que compraram, aos balcões do BES, 400 milhões de euros em papel comercial.

“Concedo a garantia do Estado ao cumprimento das responsabilidades assumidas pelo [Fundo], perante os participantes, no âmbito dos contratos de adesão celebrados entre estes e o Fundo, correspondentes à segunda e terceira prestações do preço devido pela aquisição, pelo Fundo, dos créditos aos detentores de papel comercial emitido pela Espírito Santo Internacional e pela Rio Forte, no montante global de até 152.825.000 euros”, pode ler-se no despacho publicado esta segunda-feira, 14 de janeiro, em Diário da República.

O primeiro pagamento ocorreu  na segunda metade de Junho deste ano com o depósito nas contas dos lesados do BES de cerca de 120 milhões de euros pelo fundo de recuperação de créditos (gerido pela empresa Patris), o equivalente a 30% da indemnização a que estes clientes têm direito (267 milhões de euros). Este montante  compensa  parcialmente os 2.000 lesados do BES que aderiram à solução e que compraram mais de 400 milhões de euros em papel comercial antes da queda do banco e do GES, no verão de 2014.

A solução encontrada (entre a associação de lesados, Governo, Comissão do Mercado de Valores Mobiliários – CMVM, Banco de Portugal, BES ‘mau’ e Novo Banco) para os lesados do papel comercial propõe que recuperem 75% do valor investido, num máximo de 250 mil euros, isto se tiverem aplicações até 500 mil euros.

Já acima desse valor, irão recuperar 50% do valor.

Relacionadas

Novo Banco: 100 investidores pedem ao BdP solução que compense perdas de 19 milhões de euros

Estes investidores pedem uma solução a Carlos Costa, considerando que é “inaceitável” que esta não exista após três anos e muitas reuniões com várias entidades (Banco de Portugal, Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, grupos parlamentares e assessores do Presidente da República).

Investidores de retalho em obrigações do Novo Banco instauram ação contra Estado

Afinal há investidores do retalho lesados pela transmissão das obrigações seniores do Novo Banco para o BES no fim de 2015.

PremiumFundo dos lesados avança para tribunal contra KPMG, administradores da auditora e gestores do BES

Fundo dos lesados avança este ano com ações contra 13 gestores do BES e a auditora KPMG, exigindo 500 milhões de euros a cada um.
Recomendadas

Teixeira dos Santos: “Não tenho razões para me arrepender” da escolha de Carlos Santos Ferreira e Armando Vara

O Estado “nunca interferiu em qualquer operação” da Caixa Geral de Depósitos, garantiu ainda o ex-ministro das Finanças, na última comissão parlamentar de inquérito aos atos de gestão e recapitalização do banco público, que se realizou esta quarta-feira.

“Sem fundo de garantia de depósitos comum, união bancária é insuficiente”, afirma economista-chefe do FMI

Gita Ginopath, economista-chefe do Fundo Monetário Internacional, disse que o “próximo passo” para o reforço da união bancária passa pela construção do fundo de garantia de depósitos comum, elemento fundamental para o futuro da União Económica e Monetária. E, para a união dos mercados de capitais, defendeu a construção de “instituição central para instituições não financeiras”.

BCP vai integrar o seu banco de crédito hipotecário

A operação de integração do BII no BCP é para ser feita até ao fim do ano.
Comentários