Governo aprova o primeiro Plano Nacional para a Juventude que irá vigorar entre 2018 e 2021

Conselho de Ministros deu luz verde ao Plano Nacional para a Juventude, a primeira iniciativa desta natureza em Portugal. "Representa um instrumento ao serviço da articulação interministerial das políticas de juventude, orientando o desenho, a execução e a avaliação de medidas em áreas estratégicas: Educação Formal e Não Formal; Emprego; Saúde; Habitação; Ambiente e Desenvolvimento Sustentável; Igualdade e Inclusão Social e Governança e Participação".

O Governo aprovou, em reunião de Conselho de Ministros, o primeiro Plano Nacional para a Juventude (PNJ), o qual será concretizado entre os anos de 2018 e 2021. “Trata-se do primeiro plano desta natureza, que representa um instrumento ao serviço da articulação interministerial das políticas de juventude, orientando o desenho, a execução e a avaliação de medidas nas áreas estratégicas: Educação Formal e Não Formal; Emprego; Saúde; Habitação; Ambiente e Desenvolvimento Sustentável; Igualdade e Inclusão Social e Governança e Participação”, salienta o comunicado do Conselho de Ministros.

“A definição das áreas estratégicas resultou de um amplo processo de auscultação desenvolvido junto de jovens e dos principais atores do setor (designadamente organizações de juventude, dirigentes associativos, técnicos de juventude, academia e municípios). O envolvimento de todas as áreas governativas permitiu que fossem inscritas cerca de 250 medidas, um processo representativo do reforço da articulação interministerial preconizada por este Governo”, enaltece o mesmo comunicado.

No âmbito da criação do PNJ – uma iniciativa do secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Rebelo – foram consideradas cerca de quatro mil respostas a um inquérito online a jovens, os resultados de um Fórum Nacional de jovens, entrevistas de grupo, os resultados de um inquérito a municípios e os contributos das organizações que integram o Conselho Consultivo de Juventude.

O questionário foi lançado com o objetivo de obter ideias para a definição de políticas de juventude para os próximos três anos e decorreu via online, de 11 de agosto a 31 de outubro de 2017, dirigido a jovens entre os 15 e os 30 anos de idade. Ao participarem no questionário, os jovens foram desafiados a identificar o que consideram ser mais importante para a vida das pessoas, tendo como opções de escolha (e pontuação de 1 a 5, mediante o grau de importância) áreas como a educação e a formação, o emprego, a saúde e o bem-estar, a habitação, os direitos humanos, a criatividade e a cultura, o ambiente e a mobilidade, entre outras.