Governo avança com processo para criação de nova Estratégia Nacional para o Mar

“Foi exatamente uma das decisões tomadas na última CIAM [Comissão Interministerial para os Assuntos do Mar] realizada em outubro, o processo que levará à criação de uma nova Estratégia Nacional para o Mar”, disse Ana Paula Vitorino.

Cristina Bernardo

A ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, anunciou hoje, no parlamento, que o Governo já avançou com o processo para a criação de uma nova Estratégia Nacional para o Mar.

“Foi exatamente uma das decisões tomadas na última CIAM [Comissão Interministerial para os Assuntos do Mar] realizada em outubro, o processo que levará à criação de uma nova Estratégia Nacional para o Mar”, disse Ana Paula Vitorino, durante uma audição parlamentar conjunta entre a Comissão de Agricultura e Mar e a Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa.

Apesar de não avançar mais detalhes, a governante indicou que, neste âmbito, está a ser preparada uma listagem de temas sob os quais serão desenvolvidos ‘workshops’.

“É um processo já em curso”, concluiu.

A Estratégia Nacional para o Mar, em vigor até 2020, define um modelo de desenvolvimento do oceano e das zonas costeiras, com o objetivo de permitir que Portugal responda aos desafios para a promoção e competitividade da economia do mar.

Recomendadas

Segurança do cofre do Banco de Portugal pode estar em risco. Militares não recebem há quase 7 meses

Este serviço de segurança é pago pelo próprio Banco de Portugal ao Ministério da Administração Interna que tutela a GNR. “O banco não é o problema, a GNR não é o problema”, assumiu um militar à Record TV Europa.

Terceira ponte sobre o Tejo volta a ser discutida 10 anos depois

A ponte anunciada por José Sócrates acabou por ser cancelada em 2010. Os custos foram então estimados entre 1,7 mil milhões e 1,9 mil milhões.

Prémios polémicos levam Comissão Executiva da TAP ao Parlamento. Assista ao debate

A comissão executiva da TAP está a ser ouvida na Assembleia da República sobre prémios polémicos atribuídos a trabalhadores, após terminar o exercício de 2018 com prejuízos. O requerimento para ouvir a comissão executiva da transportadora aérea foi apresentado pelo Bloco de Esquerda (BE), que classificou como “inaceitável” a decisão.
Comentários