Governo britânico já admite adiamento do Brexit

Alguns ministros do Governo de Theresa May admitiram ao Evening Standard o adiamento do Brexit.

A saída do Reino Unido da União Europeia pode vir a ser adiada e, de acordo com o britânico Evening Standard, alguns ministros do Governo de Theresa May já admitem esse cenário.

A demora na aprovação de dossiers considerados essenciais para a efetivação do Brexit está a deixar o elenco governativo liderado por May pouco otimista em relação à concretização da saída da União Europeia.

Na próxima terça-feira, o parlamento britânico vota o acordo que a primeira-ministra britânica, Theresa May, negociou com Bruxelas. Caso os deputados britânicos chumbem o acordo, o governo britânico terá de apresentar um novo plano entre o final da próxima semana e a segunda-feira seguinte, a 21 de janeiro.

(em atualização)

Relacionadas

Brexit: Economia britânica com desempenho mais fraco em seis meses

A economia do Reino Unido cresceu 0.3% nos três meses até novembro. Esta é a taxa de crescimento mais fraca em seis meses. Produção automóvel e farmaceutica foram os setores mais afetados.

Governo apresenta hoje medidas de contingência para o Brexit

Ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, e o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, apresentam esta tarde um conjunto de medidas de preparação e de contingência dirigidas aos cidadãos, para o Brexit.

O que significa uma saída da UE para o Reino Unido? Theresa May explica (em 60 segundos)

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, publicou um vídeo no Twitter, onde explica, em 60 segundos, o que significa uma saída da UE para o Reino Unido.
Recomendadas

Pedro Neves não vê “nexo causal” entre financiamento da CGD aos acionistas do BCP e ida de dois administradores para o banco privado

“O Banco de Portugal teve sempre uma posição de independência em relação às partes envolvidas na guerra do BCP”, disse Pedro Duarte Neves. “Mas a CGD estava a financiar um dos lados [do conflito]?”, confrontou um deputado. A isto Pedro Neves respondeu: “o crédito veio da CGD, mas podia ter vindo de outro banco”. O ex-vice-Governador disse que não houve violação da norma de concentração de risco a uma única entidade.

Boris Johnson vence segunda volta da votação para líder dos conservadores

Dominic Raab ficou fora da corrida porque não obteve os 10% de votos exigidos para passar ao próximo escrutínio, que acontece esta quarta-feira. Amanhã não conta a percentagem e será eliminado o último candidato à sucessão de Theresa May.

Vítor Constâncio nega “interferência” do Banco de Portugal na luta pelo BCP

O ex-governador do Banco de Portugal garantiu esta terça-feira, no parlamento, que o supervisor não exerceu qualquer “interferência” nas lutas pelo poder no BCP em 2007.
Comentários