Governo cabo-verdiano estuda linha de microcrédito para apoiar pescadores e peixeiras

O Ministério da Economia Marítima cabo-verdiano pretende criar uma linha de micro-crédito destinada aos pescadores e peixeiras, para dinamizar a economia do mar e o desenvolvimento integrado e sustentável das pescas em Cabo Verde.

Reuters

O Ministério da Economia Marítima cabo-verdiano pretende criar uma linha de micro-crédito destinada aos pescadores e peixeiras, para dinamizar a economia do mar e o desenvolvimento integrado e sustentável das pescas em Cabo Verde.

A informação foi avançada à Inforpress, pelo técnico da direção-geral dos Recursos Marinhos, Emílio Sanches, esta segunda-feira, na cidade da Praia, momentos antes de fazer a sua intervenção no debate sobre a “Pesca Sustentável” Políticas Públicas ligadas ao sector das pescas, promovida pela Fundação “Nós Tchada” do bairro de Achada Grande Frente, no âmbito do Dia Nacional do Pescador, celebrado a 5 deste mês.

“Há uma previsão de criação de um banco de pequenas e médias empresas que vai criar incentivos para concessão de créditos aos pescadores e peixeiras”, revelou o responsável que assegurou que, neste momento, está-se a trabalhar na criação deste banco e nos procedimentos de como serão concedidos os empréstimos.

No entender de Emílio Sanches, para melhorar o sector das pescas em si e torná-la mais sustentável, é necessário criar os incentivos aos pescadores e peixeiras, com introdução de malas térmicas, apoia na reabilitação das suas embarcações com introdução de motores fora de borda.

Segundo o técnico, estas e outras, são medidas que constam do programa do Governo e no Plano Estratégico de Desenvolvimento Sustentável que, no seu entender, vão melhorar as condições de trabalho, ajudar no ganha pão desses profissionais ligados ao mar e tornar o sector mais sustentável.

Por outro lado, o presidente da Câmara Municipal da Praia, Óscar Santos que presidiu à cerimónia de abertura, avançou que a autarquia poderá ajudar na organização dos mercados de peixe, mas sublinhou que o sector precisa de uma melhor organização.

“Por exemplo, no mercado da Praia, podemos constatar que existem muitas pessoas que não são peixeiras dentro daquele espaço comercial, situação essa que acaba por inibir os clientes de entrarem”, avançou o edil praiense que disse que esses profissionais têm de levar em conta e ter a noção que o sector das pescas é uma actividade económica e rentável, não apenas um meio de sobrevivência.

Para Óscar Santos, o ramo das pescas em si é um sector “altamente rentável”, mas infelizmente não é explorado nem aproveitado como deve ser, e a câmara sozinha não pode fazer muito.

“Em 2018 apresentamos um projetpeixe de criação do mercado de peixe no caís da Praia, à volta de 50 mil contos com o financiamento do Banco Mundial no sentido de começarmos a organizar o sector desde o momento em que o pescado chegue ao porto”, explicou o presidente que desafiou os profissionais a olharem para este sector como atividade empresarial.

O autarca realçou ainda a importância de formar e capacitar as pessoas que estão na venda com conhecimento mínimo de gestão para que possam organizar e terem a ideia de onde colocar o pescado, mas também dotar e organizar os profissionais da pesca artesanal com mais equipamentos e formação para que possam sentir que é uma atividade rentável.

Ler mais
Relacionadas

Governo de Cabo Verde anuncia que 2019 será o “ano de viragem” para pescas

“O sector das pescas representa o equilíbrio da balança de troca externa de Cabo Verde. Quase 90% das exportações de Cabo Verde recai na pesca”, disse o secretário de Estado Adjunto para a Economia Marítima.

“Falta de um mercado de peixe é evidente”, diz autarca cabo-verdiano

Aníbal Fonseca, presidente da Câmara do Porto Novo – onde a pesca constitui uma das principais actividades económicas, empregando entre 20 a 25% da população ativa local –, afirma que está a trabalhar com o governo de Cabo Verde para reestruturar infraestruturas.
Recomendadas

Acordo sobre mobilidade na CPLP será aprovado em julho em Cabo Verde

A data foi definida na V reunião dos ministros do Interior e da Administração Interna da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), que terminou na cidade da Praia, capital de Cabo Verde, país que atualmente assume a presidência rotativa da instituição.

Cabo Verde Airlines e TAAG assinam acordo para voos Luanda-Sal

A parceria prevê que uma das companhias transporte passageiros da outra. Ou seja, se comprar um bilhete para um voo da Cabo Verde Airlines entre Luanda e Sal irá viajar num avião da transportadora aérea angolana.

CIN promete transformar Cabo Verde num país plataforma no Atlântico

Na tomada de posse dp gabinete de operacionalização deste Centro Internacional de Negócios, vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças cabo-verdiano, Olavo Correia, que considerou ser “obrigação” do governo criar novas oportunidades para os jovens.
Comentários