Governo confirma morte de português em queda de avião em Angola

O Governo confirmou hoje a morte de um cidadão português em Angola, um paramédico bombeiro de 39 anos, na sequência da queda de um avião na tarde de quinta-feira, quando fazia o percurso da Lunda Norte para Luanda.

Ler mais

Fonte oficial do gabinete do Secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro, declarou à Lusa que o avião – no qual seguiam sete pessoas, entre tripulantes e passageiros – “caiu cerca de 20 minutos depois de ter descolado” do Dundo, na província da Lunda Norte, a caminho de Luanda. Desconhecem-se, de momento, os motivos da queda do aparelho.

“O português falecido era um paramédico bombeiro de 39 anos”, disse a mesma fonte, referindo também que o homem não estava ao serviço do Estado português.

A aeronave tinha partido do Dundo, no extremo leste de Angola, cerca das 16h00, com destino a Luanda, quando foi perdido o contacto, tinha declarado anteriormente à Lusa uma fonte da proteção civil angolana.

A Força Aérea Angolana (FAN) disponibilizou dois helicópteros para procurar os destroços do avião que estava ao serviço de uma empresa privada e que desapareceu a 200 quilómetros da cidade do Dundo.

De acordo com informação prestada pela FAN, os dois meios aéreos estão envolvidos nas operações desde o início da manhã, havendo registo da participação de uma avaria na aeronave desaparecida, antes de perder o contacto.

O Ministério dos Transportes de Angola convocou para esta tarde uma conferência de imprensa para dar mais explicações sobre este incidente.

Recomendadas

Táxis: Profissionais preparam-se para continuar protesto por tempo indeterminado

Os taxistas têm estado concentrados em Lisboa, Porto e Faro, com as viaturas paradas nas ruas, para tentar impedir a entrada em vigor, em 01 de novembro, da lei que regula as plataformas eletrónicas de transporte de passageiros em veículos descaracterizados de transporte que operam em Portugal – Uber, Taxify, Cabify e Chauffeur Privé.

Lei ‘Uber’ foi “aprovada por 80% dos deputados”, recorda Uber Portugal

Uber Portugal reage ao protesto dos taxistas e esclarece que lei foi aprovada por 80% dos deputados. Para a Uber, a lei que regula a atividade de TVDE traz “estabilidade e segurança jurídica” aos motoristas e utilizadores da Uber.

Universidade do Porto proíbe praxes que “atentem contra a dignidade”

O novo reitor emitiu um despacho ameaçando de expulsão os alunos que perpetuarem atos contrários aos regulamentos. A Universidade já antes tinha assumido esta postura, que se vai multiplicando em todo o país.
Comentários