Governo corrige número de surtos em escolas. Afinal são 68

Num esclarecimento enviado no final do dia, o gabinete do secretário de Estado António Lacerda Sales clarifica que, na verdade, são apenas 68 os surtos ativos nos estabelecimentos de ensino. Este número inclui os surtos ativos de infeção em todos os estabelecimentos de ensino, públicos e privados, desde creches ao ensino superior.

Lusa

Os 477 surtos de infeção pelo novo coronavírus que o secretário de Estado e Adjunto da Saúde disse estarem ativos nas escolas são afinal referentes ao total do país, esclareceu o Governo, corrigindo o número para 68.

Num esclarecimento enviado no final do dia, o gabinete do secretário de Estado António Lacerda Sales clarifica que, na verdade, são apenas 68 os surtos ativos nos estabelecimentos de ensino.

Este número inclui os surtos ativos de infeção em todos os estabelecimentos de ensino, públicos e privados, desde creches ao ensino superior.

Na habitual conferência de imprensa de acompanhamento da pandemia da covid-19 em Portugal, António Lacerda Sales afirmou que estariam ativos 477 surtos de infeção em escolas, detalhando também os surtos por região.

“Por lapso, foram referidos os surtos ativos no país a 16/11/2020, identificados pela Direção-Geral da Saúde, no total de 477, em detrimento do número de surtos ativos em creches/escolas/universidades (ensino público e privado), no total de 68, e que agora se clarifica”, esclarece agora o gabinete do secretário de Estado.

Por região, há 50 surtos ativos em Lisboa e Vale do Tejo, 11 no Centro, três no Norte, dois no Alentejo e dois no Algarve.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.360.914 mortos resultantes de mais de 56,8 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 3.762 pessoas dos 249.498 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Ler mais
Recomendadas

“Sobreviver a Pão e Água”. “Centenas” de membros do movimento dispostos a regressar à greve de fome se Governo não aprovar medidas exigidas

Movimento diz que Governo disse que iria apresentar em breve várias das medidas por si exigidas. Se até dia 11 de dezembro, não apresentar as restantes medidas ameaçam que com o regresso à greve de fome em frente ao Parlamento e por todo o país, com “mais de uma centena de pessoas”.

Natal e passagem de ano: estas são as 14 regras que vão vigorar

Restaurantes abertos até à uma da manhã nas noites de natal e de passagem de ano, e natal sem interdição de circulação entre concelhos são algumas da medidas que vão vigorar durante a época festiva. Governo avalia medidas a 18 de dezembro à luz da evolução da pandemia da Covid-19.

Costa adia anúncio de medidas de apoio para as rendas do comércio e da restauração

A 21 de novembro, o primeiro-ministro anunciou que as medidas de apoio para as rendas de lojas e restaurantes seria anunciada nos dias seguintes. Passados 15 dias, o Governo ainda não anunciou os apoios e adiou para a próxima semana.
Comentários