Governo de Cabo Verde acorda recompra de títulos de consolidação financeira do BCA

A informação da recompra foi avançada num comunicado, emitido pelo governo, que refere que após um diálogo no sentido de encontrar um mecanismo para executar o reembolso dos TCMF, de que o BCA é titular, foi assinado com esta instituição financeira o acordo de recompra.

O Estado cabo-verdiano, através do Ministério das Finanças, recomprou os Títulos de Consolidação Financeira (TCMF) detidos pelo Banco Comercial do Atlântico (BCA), num montante de aproximadamente 6,4 milhões de contos.

Os TCMF São títulos de crédito emitidos pelo Estado de Cabo Verde e que incorporam o direito de recebimento de 90 por cento (%) do resultado líquido anual do Suport for Cabo Verde Stabilization Trust Found.

O artigo 19° determina que o Estado obriga-se a adquirir os TCMF num período máximo de 20 anos a contar da data da aprovação dessa Lei, pelo que a totalidade dos TCMF emitidos devia ser recomprado pelo Estado até 17 de agosto de 2018.

A informação da recompra foi avançada num comunicado, emitido pelo governo, que refere que após um diálogo no sentido de encontrar um mecanismo para executar o reembolso dos TCMF, de que o BCA é titular, foi assinado com esta instituição financeira o acordo de recompra.

No entanto, no último Boletim Oficial (BO) de dezembro, o governo anunciou que iria recomprar os títulos em duas operações separadas. Na primeira, o Estado “procede à aquisição dos TCMF de valor inferior a 300 mil contos (cerca de 2,7 milhões de euros) mediante o pagamento, numa única prestação, no mês de janeiro de 2019. A segunda será para a compra dos títulos com valor superior a 300 mil contos (cerca de 2,7 milhões de euros) e será feita através da emissão de títulos com um prazo de maturação de 20 anos, com efeito a partir de janeiro de 2020 e uma taxa de juro de 3% sendo o reembolso feito em prestações iguais de capital e juros, esclarece o governo no mesmo BO.

Por resolver fica o outro grande detentor de TCMF, o Banco de Cabo Verde (BCV), com cerca quatro de milhões de contos por receber.

O ministro das Finanças, Olavo Correia, garantiu em setembro, por altura das comemorações dos 20 anos do acordo cambial entre Cabo Verde e Portugal, que o governo tem um capital de 100 milhões de euros para o resgate dos títulos caso for necessário. Verba com origem no Internacional Suport for Cabo Verde Stabilization Trust Found.

No âmbito do Programa das Reformas Económicas de 2008, com vista ao saneamento da divida pública interna, foram criados outros instrumentos, como o Acordo de Cooperação Cambial – celebrado com Portugal e reconhecido pela União Europeia (Ecofin), que estabeleceu a paridade fixa do euro com o escudo cabo-verdiano –, o Fundo Especial de Estabilização e Desenvolvimento (FEED) – para fazer face aos efeitos, sobre o equilíbrio interno, resultantes de choques externos – e o MSF (Macroeconomic Stability Fund) – para fazer face aos efeitos de choques externos sobre a estabilidade cambial e o equilíbrio externo.

De 1998 a 2000 foram desembolsados para o programa cerca de 100 milhões de dólares.

As contribuições serviram para transformar as obrigações do tesouro na posse das instituições do sistema financeiro (Garantia, BCA, BCV e INPS) em Títulos de Consolidação de Mobilização Financeira (TCMF que representaram em 2010 e 2011, 8,4 e 7,6 por cento do PIB, respetivamente.

Ler mais
Recomendadas

Teixeira dos Santos: “Não tenho razões para me arrepender” da escolha de Carlos Santos Ferreira e Armando Vara

O Estado “nunca interferiu em qualquer operação” da Caixa Geral de Depósitos, garantiu ainda o ex-ministro das Finanças, na última comissão parlamentar de inquérito aos atos de gestão e recapitalização do banco público, que se realizou esta quarta-feira.

“Sem fundo de garantia de depósitos comum, união bancária é insuficiente”, afirma economista-chefe do FMI

Gita Ginopath, economista-chefe do Fundo Monetário Internacional, disse que o “próximo passo” para o reforço da união bancária passa pela construção do fundo de garantia de depósitos comum, elemento fundamental para o futuro da União Económica e Monetária. E, para a união dos mercados de capitais, defendeu a construção de “instituição central para instituições não financeiras”.

BCP vai integrar o seu banco de crédito hipotecário

A operação de integração do BII no BCP é para ser feita até ao fim do ano.
Comentários