Governo de Cabo Verde duplica pensões para comunidades emigradas em situação de vulnerabilidade

O governo de Cabo Verde duplicou o valor da pensão concedida às comunidades emigradas em situação de vulnerabilidade em São Tomé e Príncipe, Angola, Moçambique, Guiné-Bissau e Senegal. São mais de 1400 beneficiários que passaram a receber as pensões com efeitos retractivos desde janeiro deste ano.

Vicent West/Reuters

O anúncio feito em comunicado de imprensa pelo executivo cabo-verdiano, que realça que os beneficiários passam a receber as pensões com os novos aumentos através do Centro Nacional de Pensões Sociais (CNPS), que a partir deste ano, assumiu a responsabilidade de gerir as pensões concedidas às comunidades emigradas em situação de vulnerabilidade nos referidos países.

Em São Tomé e Príncipe, onde vivem 1. 117 cabo-verdianos e é uma das comunidades mais pobre e a maior entre os pais africanos de língua portuguesa a pensão vais passar de 20 para 40 euros.

Em Angola, o número de beneficiários é menor 187 terá o mesmo aumento, de 22 dólares passa para 44.

Em Moçambique, onde vivem 50 cabo-verdianos em situação de vulnerabilidade, a pensão de 22 dólares vai duplicar.

Na Guiné Bissau os beneficiários são 31 vão passar a receber não 17, mas 34 euros de ajuda do Estado de Cabo Verde, o mesmo em relação aos 30 cabo-verdianos a viver no Senegal.

Cabo Verde prestava, há já vários anos, proteção social dos cabo-verdianos que vivem em situação de pobreza extrema nas comunidades emigrantes, com atribuição de uma pensão.

“Essa prestação social tem como objetivo garantir a proteção social dos cabo-verdianos que vivem em situação de pobreza extrema nas comunidades emigradas”, justifica o governo local.

Segundo o executivo cabo-verdiano, o pagamento dessas pensões é feito trimestralmente pelas Embaixadas ou Representações Consulares, com retroatividade desde janeiro.

Ler mais
Recomendadas

Empresários russos interessados em investir nas pescas em Cabo Verde

“Ficaram de fazer uma visita a Cabo Verde antes do final do ano para recolherem dados mais precisos e assim poderem preparar o seu projecto definitivo”, disse o ministro do Turismo e da Economia Marítima cabo-verdiano.

Presidente promulga com “dúvidas” venda de banco da Caixa em Cabo Verde

A CGD está a vender o Banco Comercial do Atlântico, um dos dois detidos pelo grupo bancário público em Cabo Verde, mantendo a sua participação no banco Interatlântico.

Ilha do Fogo vai acolher 10ª reunião do Conselho de Ministros do Turismo da CPLP

“Cabo Verde tem feito o gesto de abrir cada vez mais a nossa fronteira com a isenção de vistos, mas ainda estamos longe de ter este nível de correspondência dos demais países”, diz o ministro do Turismo cabo-verdiano.
Comentários