Governo de Cabo Verde quer dinamizar mercado secundário da dívida pública

“O que governo pretende é abrir às empresas e às famílias este mercado de dívida pública”, referiu Manuel Lima, presidente da Bolsa de Valores de Cabo Verde.

A “Dinamização do mercado secundário da dívida pública” foi o tema de um workshop promovido, na cidade da Praia, pela Bolsa de Valores de Cabo Verde (BVCV), numa altura em que o governo trabalha para aumentar a liquidez deste mercado. No encontro que reuniu quadros e responsáveis do sistema financeiro de Cabo Verde e de Portugal, o presidente da BVCV, Manuel Lima explicou que o mercado secundário de títulos públicos é um mercado que se enquadra dentro dos objetivos que se pretende para a reforma do título da dívida.

Com a entrada de Cabo Verde na lista de países de desenvolvimento médio, em que os financiamentos de bancos estrangeiros e instituições multilaterais deixaram de ser a taxas de juro concessionais, passando a pagar taxas mais elevadas, o país passou a ter mais necessidade de se financiar através da emissão de dívida interna, sobretudo Obrigações do Tesouro (OT).

“Perante estas necessidades, o que governo pretende é abrir às empresas e às famílias este mercado de dívida pública”, referiu Manuel Lima. Para isso, serão criadas emissões específicas de dívida pública para o mercado secundário, para que, através dos bancos, que farão a colocação, todos os agentes económicos possam investir em Cabo Verde se assim pretenderem.

O que se pretende, segundo o presidente da Bolsa de Cabo Verde “ é que as pessoas com algum recurso, os agentes económicos, em querendo, podem aplicar os seus recursos, rentabilizá-los, sem os constrangimentos atuais – isto é: podendo dar ordem de compra em título disponível, querendo vender têm a contraparte para comprar”.

Até agora,  o que acontece é que as emissões de dívida pública interna, em regime de leilão, sob a tutela da Direção Geral do Tesouro (DGT), são feitas em mercado primário, ou seja, em circuito fechado, apenas para os bancos e outras Instituições Financeiras (IF’s). Normalmente nestes leilões a procura excede largamente a oferta porque os bancos comerciais não conseguem emprestar em crédito todos os depósitos dos clientes, e assim cada banco compra o máximo de OT sem risco e com uma taxa de juro muito boa.

No mercado primário, os cidadãos e as empresas comuns ficam sem possibilidade de investir as suas poupanças neste tipo de instrumento, que paga em Cabo Verde mais que os depósitos a prazo dos bancos, neste momento entre 2 a 3% ao ano, e sem risco, porque tem a garantia do Estado.

As OT podem ser compradas, normalmente com prazos de três a sete anos com taxas de juro à volta de 4% ano.

A promoção do mercado secundário tanto poderá ajudar o governo a ir buscar poupança das famílias para materializar as suas políticas como ajudará a Bolsa de Valores a dinamizar a sua atuação, defende Manuel Lima.

Ler mais
Recomendadas

Direção da Confederação Empresarial da CPLP reconduzida

“Eu quero acreditar se focarmos na livre circulação da comunidade estaremos em condições de dentro de duas décadas ocuparmos um espeço na economia global”, referiuo moçambicano Salimo Abdula,

Novo presidente do TdC de Cabo Verde quer reforço dos recursos humanos e financeiros

O repto foi lançado esta quarta-feira, na Cidade da Praia, por João da Cruz Silva, durante a cerimónia de empossamento presidida pelo Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, tendo realçado que a nova lei do Tribunal de Contas marca uma nova era da instituição e reformar a forma de trabalhar do pessoal.

Portuguesa SolarImpact leva a Cabo Verde soluções para aproveitar energia solar

A empresa portuguesa assinalou a entrada no mercado cabo-verdiano com a montagem, a título simbólico, de um sistema de produção de energia solar fabricado 100% por si, numa residencial em Chã das Caldeira, na Ilha do Fogo.
Comentários