Governo de Macau quer concessionárias dos casinos com mais receitas não jogo

Em 2014, apontou o responsável, as receitas do jogo representaram 93,4% do total das receitas das concessionárias do jogo em Macau, ou seja, a atividade não jogo há cinco anos foi de 6,6%.

O diretor dos Serviços de Inspeção e Coordenação do Jogo de Macau assumiu que o objetivo do Governo é que as concessionárias do jogo no território aumentem a proporção da receita da área não jogo.

“Aumentar a proporção da receita de negócios não jogo em 9% ou mais até 2020” é o objetivo, afirmou Paulo Chan, de acordo com um comunicado divulgado esta quarta-feira. As declarações foram realizadas na terça-feira durante o “Entertainment Swow”, um evento sobre a indústria do entretenimento na capital mundial dos casinos.

Em 2014, apontou o responsável, as receitas do jogo representaram 93,4% do total das receitas das concessionárias do jogo em Macau, ou seja, a atividade não jogo há cinco anos foi de 6,6%.

De acordo com a mesma nota, Paulo Chan, quer que as concessionárias que gerem os ‘resorts integrados’ de Macau “cooperem em larga escala com as pequenas e médias empresas locais, permitindo que mais lojas históricas com recursos exclusivos entrem nos ‘resorts’ integrados, consolidando o estatuto de Macau como Capital ‘Gourmet’”.

A atribuição de novas licenças na capital mundial do jogo será feita em 2022, através de concurso público, sendo que a grande maioria dos especialistas da área acreditam que as obrigações de diversificação por parte das operadoras devem constar no futuro caderno de encargos.

Recomendadas

Três linhas de apoio social na Cultura estão abertas

Esta semana serão ainda divulgadas as condições de acesso aos 8,5 milhões de euros de reforço orçamental do Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA), retirados do saldo de gerência, também para responder às necessidades dos trabalhadores desta área.

Livro: “Périplo pelos Bares do Mediterrâneo”

Se o expectável seria um rol de museus e locais históricos a visitar, neste livro, Ali Duaji, romancista tunisino de origem turca que também fez da poesia sua casa, preferiu perscrutar os povos mediterrânicos deambulando pelos seus bares.

Trabalhadores da Cultura têm cinco propostas para acabar com precariedade

O caderno de contributos e propostas inclui, por exemplo, o fim dos recibos verdes e a aplicação de contratos de trabalho onde figurem “o tempo de trabalho, a remuneração, os encargos sociais do empregador e os encargos sociais do empregado”.
Comentários