Governo desconhece quanto custam as medidas fiscais para o arrendamento, diz Helena Roseta

“A Assembleia da República não sabe a data dos contratos, se são de agora ou de há 10 anos, nem quanta receita se deixa de ter”, referiu a deputada Helena Roseta, durante uma conferência sobre o imobiliário em Portugal realizada esta quarta-feira.

Cristina Bernardo

O Governo não sabe quanto custam as medidas fiscais para o arrendamento, dado que a Autoridade Tributária e Aduaneira não tem forma de saber a duração dos contratos e, como tal não tem uma estimativa fiável do efeito na receita da redução de IRS para contratos de longa duração.

A informação foi transmitida pela deputada Helena Roseta, uma das oradoras da conferência sobre o imobiliário em Portugal, realizada esta quarta-feira, 19 de setembro, pelo “Jornal de Negócios” e a Century 21. “A Assembleia da República não sabe a data dos contratos, se são de agora ou de há 10 anos, nem quanta receita se deixa de ter. Esta é uma informação que não se tem e a redução de IRS tem de ser diferente consoante o prazo”, referiu a líder do grupo de trabalho do Parlamento para as políticas de habitação.

Apesar do Partido Comunista Português (PCP) ser o único que não concorda com a redução dos impostos, os restantes partidos acabam por estar em desacordo, já que cada um tem uma proposta diferente, sendo complicado encontrar um consenso.

“Estão todos de acordo que se devem baixar os impostos, à excepção do PCP, mas cada um tem uma proposta diferente e agora ninguém quer aprovar a proposta do outro. É um disparate”, afirmou Helena Roseta.

Recomendadas

PremiumFidelidade compra terrenos da Feira Popular 45% acima do preço pedido pela Câmara de Lisboa

O valor estipulado pela Câmara Municipal de Lisboa para a venda da chamada ‘Operação Integrada de Entrecampos’ era de 188,4 milhões de euros, mas os terrenos foram arrematados por 273,9 milhões de euros. A seguradora adquiriu todos os lotes.

Britânica GuestReady compra startup portuguesa Oporto City Flats

A empresa de gestão de unidades alojamento local não revelou o valor da operação. Na sequência do acordo, os sete colaboradores da Oporto City Flats passam a integrar os dois escritórios que a GuestReady tem em Portugal, em Lisboa e no Porto.

Moody’s prevê um maior aumento no preço das casas em Portugal

“Continuamos a prever inflação nos preços de imobiliário em Portugal entre os próximos 12 a 18 meses, especialmente nas áreas “prime” de Lisboa,” refere Greg Davies, vice presidente e analista sénior da Moody’s.
Comentários