Governo desconhece quanto custam as medidas fiscais para o arrendamento, diz Helena Roseta

“A Assembleia da República não sabe a data dos contratos, se são de agora ou de há 10 anos, nem quanta receita se deixa de ter”, referiu a deputada Helena Roseta, durante uma conferência sobre o imobiliário em Portugal realizada esta quarta-feira.

Cristina Bernardo

O Governo não sabe quanto custam as medidas fiscais para o arrendamento, dado que a Autoridade Tributária e Aduaneira não tem forma de saber a duração dos contratos e, como tal não tem uma estimativa fiável do efeito na receita da redução de IRS para contratos de longa duração.

A informação foi transmitida pela deputada Helena Roseta, uma das oradoras da conferência sobre o imobiliário em Portugal, realizada esta quarta-feira, 19 de setembro, pelo “Jornal de Negócios” e a Century 21. “A Assembleia da República não sabe a data dos contratos, se são de agora ou de há 10 anos, nem quanta receita se deixa de ter. Esta é uma informação que não se tem e a redução de IRS tem de ser diferente consoante o prazo”, referiu a líder do grupo de trabalho do Parlamento para as políticas de habitação.

Apesar do Partido Comunista Português (PCP) ser o único que não concorda com a redução dos impostos, os restantes partidos acabam por estar em desacordo, já que cada um tem uma proposta diferente, sendo complicado encontrar um consenso.

“Estão todos de acordo que se devem baixar os impostos, à excepção do PCP, mas cada um tem uma proposta diferente e agora ninguém quer aprovar a proposta do outro. É um disparate”, afirmou Helena Roseta.

Recomendadas

VIC Properties compra terrenos da Matinha para construir mais de duas mil habitações

Com uma área de aproximadamente 20 hectares, num total de 260 mil metros quadrados previstos de área de construção, a empresa prevê que as obras sejam iniciadas no início de 2020, e os trabalhos realizados ao longo dos anos seguintes.

Estas são as três zonas de melhor investimento no alojamento local em Lisboa

São Sebastião da Pedreira, São José e Santa Justa revelaram o melhor potencial de investimento numa análise da Hostmaker. Em sentido oposto, as zonas de Belém e São Miguel dos Olivais foram consideradas as menos atrativas devido à reduzida ocupação anual e aos preços por noite praticados.

Ocupação do mercado de escritórios em Lisboa aumentou 64% em maio

Em termos homólogos o crescimento foi de 11%, registando um total de 19 operações e uma área média de 940 metros quadrados. A nível trimestral verificaram-se 74 operações e uma área média de 953 metros quadrados.
Comentários