Governo desconhece quanto custam as medidas fiscais para o arrendamento, diz Helena Roseta

“A Assembleia da República não sabe a data dos contratos, se são de agora ou de há 10 anos, nem quanta receita se deixa de ter”, referiu a deputada Helena Roseta, durante uma conferência sobre o imobiliário em Portugal realizada esta quarta-feira.

Cristina Bernardo

O Governo não sabe quanto custam as medidas fiscais para o arrendamento, dado que a Autoridade Tributária e Aduaneira não tem forma de saber a duração dos contratos e, como tal não tem uma estimativa fiável do efeito na receita da redução de IRS para contratos de longa duração.

A informação foi transmitida pela deputada Helena Roseta, uma das oradoras da conferência sobre o imobiliário em Portugal, realizada esta quarta-feira, 19 de setembro, pelo “Jornal de Negócios” e a Century 21. “A Assembleia da República não sabe a data dos contratos, se são de agora ou de há 10 anos, nem quanta receita se deixa de ter. Esta é uma informação que não se tem e a redução de IRS tem de ser diferente consoante o prazo”, referiu a líder do grupo de trabalho do Parlamento para as políticas de habitação.

Apesar do Partido Comunista Português (PCP) ser o único que não concorda com a redução dos impostos, os restantes partidos acabam por estar em desacordo, já que cada um tem uma proposta diferente, sendo complicado encontrar um consenso.

“Estão todos de acordo que se devem baixar os impostos, à excepção do PCP, mas cada um tem uma proposta diferente e agora ninguém quer aprovar a proposta do outro. É um disparate”, afirmou Helena Roseta.

Recomendadas

Preços das casas no Algarve sobem abaixo da média nacional pelo terceiro trimestre consecutivo

No terceiro trimestre de 2018, o preço das habitações no sul do país subiram 13% em termos homólogos, ficando abaixo dos 15,6% da média nacional em igual período, de acordo com o Índice de Preços Residenciais (IPR) da Confidencial Imobiliário (CI).

Taxas Euribor mantêm-se a três, seis e 12 meses

A Euribor a três meses manteve-se hoje pela 11.ª sessão consecutiva em -0,308%, contra o atual máximo desde julho registado pela primeira vez em 24 de janeiro (-0,306%) e o atual mínimo de sempre, de -0,332%, verificado pela primeira vez em 10 de abril de 2017.

Taxa de juro no crédito à habitação subiu para os 1,054% em janeiro

Esta percentagem representa um aumento de 0,1% pontos base (p.b), face a dezembro de 2018. Já a taxa de juros nos contratos celebrados nos últimos três meses, desceu para os 1,282%, menos 14,2 p.b. do que o registado no mês anterior.
Comentários