Governo e CP estudam transportes alternativos devido a obras na linha do Douro

A partir da próxima segunda-feira, a circulação de comboios no troço Caíde-Marco de Canaveses será interrompida.

Tiago Petinga/Lusa

O Governo e a CP estão a estudar quais as melhores fórmulas para disponibilizar transportes alternativos aos utentes da linha ferroviária do Douro, cuja circulação será interrompida a partir de segunda-feira próxima, dia 26 de novembro.

“O Governo e a CP estão a desenvolver um conjunto de iniciativas que permitam assegurar níveis de oferta que garantam a plena mobilidade das populações na Linha do Douro durante as obras no troço Caíde-Marco de Canaveses, que começam na próxima segunda-feira”, explica um comunicado Ministério do Planeamento e das Infraestruturas.

Segundo esse comunicado, “a decisão de desenvolver esse conjunto de medidas foi tomada numa reunião entre o secretário de Estado das Infraestruturas e o Conselho de Administração da CP”.

“Durante as obras, a circulação será interrompida no troço Caíde-Marco de Canaveses, estando a CP a trabalhar em soluções que permitam assegurar níveis de oferta adequados nos restantes troços”, adianta o referido comunicado.

De acordo com o ministério liderado por Pedro Marques, “as soluções serão estudadas em coordenação com os municípios, tendo esta semana decorrido já uma reunião entre a CP e o município da Régua e estando prevista nova reunião com os municípios abrangidos nos próximos dias, para estudar ajustamentos que permitam minorar os impactos decorrentes desta interdição do troço Caíde-Marco de Canaveses”.

Será de prever que parte das soluções de transportes alternativos para fazer face à interrupção da circulação na linha do Douro passe pelo aluguer de autocarros para transportar os utentes habituais da CP neste troço ferroviário.

Ler mais
Recomendadas

TAP disse que o negócio da manutenção e engenharia no Brasil atingirá lucro operacional de 3 milhões

Num almoço com os jornalistas, em Lisboa, Antonoaldo Neves afirmou que “a TAP Manutenção e Engenharia Brasil vai atingir o ‘breakeven’ este ano” e que para 2019 esperam que registe “um lucro operacional de três milhões”

ASF “delibera a constituição de um grupo de trabalho” para supervisionar a Associação Mutualista

A ASF desde que ganhou a supervisão das maiores Mutualistas que “dispõe de poderes de monitorização das ações e diligências adotadas pelas associações mutualistas relevantes com vista à progressiva adaptação ao quadro regulatório e de supervisão do setor segurador”, para assegurar essa função constituiu um grupo de trabalho.

TAP vai pagar 120 milhões da sua dívida a partir de março

“Nós fizemos operações de dívida de carta de crédito de financiamento de aeronaves de mais de mil milhões de euros nos últimos 12 meses”, garantiu o gestor, referindo haver bancos que, pela primeira vez, avançaram financiamento, incluindo no Brasil e nos Estados Unidos.
Comentários