Governo espanhol aumenta salário mínimo em 22%

A atualização da remuneração mínima dos trabalhadores para os 900 euros é uma das medidas inscritas no Orçamento do Estado (OE) para 2019, com vista à aprovação no Parlamento, onde o atual governo não tem maioria.

O governo espanhol de Pedro Sánchez chegou a acordo com o Podemos para aumentar em 22% o salário mínimo dos trabalhadores. A atualização da remuneração mínima dos trabalhadores para os 900 euros é uma das medidas inscritas no Orçamento do Estado para 2019, com vista à aprovação no Parlamento, onde o atual governo não tem maioria.

Com esta medida, o salário mínimo dos trabalhadores deve passar dos atuais 735,90 euros para 900 euros já no próximo ano. A atualização corresponde a uma subida de 164,10 e resulta de várias cedências do governo espanhol com o Podemos. Pedro Sánchez defendia uma subida do salário mínimo para os 850 euros, enquanto o partido de Pablo Iglesias exigia mil euros. A solução passa pelo meio termo.

O chefe do executivo espanhol e o líder do Podemos estiveram reunidos esta madrugada para fechar o acordo sobre o Orçamento do Estado para o próximo ano. Entre outras medidas acordadas estão a subida de 3% para as pensões mínimas e não contributivas e a criação de um imposto de 1% sobre fortunas superiores de 10 milhões de euros.

Recomendadas

Venezuela: Washington pede à UE para reconhecer Juan Guaidó como “único presidente legítimo”

Vice-presidente norte-americano recordou a conferência que se realizou esta semana em Washington na qual 30 países reafirmaram o compromisso de ajudar a Venezuela e enviar ajuda humanitária.

Eleições europeias: campo de batalha para todas as ‘fake news’

O movimento de Emmanuel Macron, como tantos outros, está convencido que Steve Bannon e Vladimir Putin estarão ativamente concentrados contra o aprofundamento da União Europeia.

Amazon desistiu de se mudar para Nova Iorque

A companhia tem sede mas Seattle mas a expansão de um segundo escritório principal em Nova Iorque foi comprometida por políticos que se opuseram devido aos benefícios fiscais que a empresa iria receber do Estado.
Comentários