Governo inicia recolha de contributos para a estratégia de Portugal 2030

“Numa outra fase, a proposta de consenso para o Portugal 2030 estender-se- á à Assembleia da República”, garante o ministério liderado por Pedro Marques.

Cristina Bernardo
Ler mais

O Governo lançou hoje a recolha de contributos sobre a estratégia de Portugal após 2020, através do ‘site’ Portugal 2030 (http://www.portugal2030.pt/).

Segundo o Ministério do Planeamento e das Infraestruturas, essa recolha de contributos integra-se na iniciativa de debate e procura de consensos lançada pela Governo, sob a coordenação de Pedro Marques, no âmbito da qual já se realizaram vários debates com parceiros sociais e especialistas de várias áreas.

“É intenção do Governo que nesta discussão se reflita sobre os grandes objetivos para o país, para os quais as políticas públicas se deverão orientar, o que necessariamente resultará também como linha orientadora para a preparação do próximo período de programação de fundos europeus, que deverá estar subordinado aos objetivos e opções que venham a ser definidos na estratégia para o país”, explica um comunicado do Ministério do Planeamento e das Infraestruturas.

Até agora, vários membros do Governo já participam em reuniões com o Conselho Económico e Social, Comissão Permanente da Concertação Social e Conselho Nacional para a Economia Social e ainda associações e especialistas do Território (em Santarém), Conhecimento e Inovação (em Coimbra), Empresas (Porto) e Sustentabilidade Demográfica (Évora).

De acordo com o referido documento, “com a consulta agora iniciada, o Governo pretende alargar a participação a toda a sociedade”.

“Numa outra fase, a proposta de consenso para o Portugal 2030 estender-se- á à Assembleia da República”, garante o ministério liderado por Pedro Marques.

“Nas intervenções que tem vindo a realizar nas sessões públicas, o Primeiro-Ministro traçou como objetivo central do País a manutenção, na próxima década, da convergência com a Europa alcançada nos últimos três trimestres, através de dois eixos: o reforço da competitividade externa e o aumento da coesão interna de Portugal”, conclui o referido comunicado.

Recomendadas

Índices de Aceitação e de Oposição: PS votou a favor de mais diplomas do PSD do que do PCP

Plataforma Hemiciclo acaba de lançar uma nova funcionalidade: os Índices de Aceitação e de Oposição que registam o número de vezes que uma determinada bancada parlamentar votou a favor ou contra diplomas de cada uma das outras bancadas. Entre os dados compilados destacam-se algumas surpresas.

Santana quer Aliança entre “maiores partidos e aumentar “mercado eleitoral” do centro-direita

“Se tiver no mercado eleitoral, em vez de duas ofertas, três ofertas válidas, há condições para esse espaço político conseguir mais votos do que só com duas”, garantiu Pedro Santana Lopes.

Rui Rio diz que “não ficaria surpreendido” com a recondução de Joana Marques Vidal

Líder do PSD salienta que tem feito “um esforço muito grande não pela não politização, mas pela não partidarização” da nomeação para a Procuradoria-Geral da República.
Comentários