Governo português transmite a Moçambique preocupação com crescente insegurança

Na reunião, “foi sinalizada a prioridade que o Governo português atribui às condições de segurança em que vive a numerosa comunidade portuguesa em Moçambique, a qual contribui ativamente e muito significativamente para o desenvolvimento económico e social” de Moçambique.

Maputo, Moçambique

O Governo de Portugal transmitiu hoje ao embaixador de Moçambique em Lisboa “forte preocupação para com a perceção de crescente insegurança” de cidadãos portugueses naquele país africano, agravada com o rapto e homicídio do empresário José Paulo Antunes Caetano.

Em comunicado, o Ministério dos Negócios Estrangeiros referiu que o diretor-geral de Política Externa do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Pedro da Costa Pereira, transmitiu ao embaixador Joaquim Bule que “essa perceção se tem vindo infelizmente a reforçar com vários episódios marcados pelo desaparecimento ou morte de portugueses e agravou-se depois de conhecidas as circunstâncias em que ocorreu a morte do cidadão José Paulo Antunes Caetano, a 11 de novembro de 2018”.

Na reunião, “foi sinalizada a prioridade que o Governo português atribui às condições de segurança em que vive a numerosa comunidade portuguesa em Moçambique, a qual contribui ativamente e muito significativamente para o desenvolvimento económico e social” de Moçambique.

Com o propósito de “assegurar as melhores condições de segurança” aos portugueses em Moçambique, o Governo português manifestou “o total empenho em explorar com as autoridades moçambicanas as potencialidades do conjunto de instrumentos bilaterais em vigor e a possibilidade de criação de novos mecanismos que permitam uma troca adequada de informações entre Portugal e Moçambique”.

O embaixador de Moçambique em Lisboa “foi igualmente informado de que o Governo português tenciona reforçar as medidas de informação e de sensibilização dos cidadãos nacionais que se desloquem ou residam em Moçambique”.

O corpo de José Paulo Antunes Caetano foi encontrado sem vida no domingo, perto de Maputo, capital de Moçambique, depois de ter sido pago o resgate exigido logo após o rapto do empresário.

Outro empresário, Américo Sebastião, foi raptado e continua desaparecido desde a manhã de 29 de julho de 2016, em Nhamapadza, distrito de Maringué, no centro de Moçambique.

Américo Sebastião foi raptado numa estação de abastecimento de combustíveis por homens fardados, que algemaram o empresário e o colocaram dentro de uma das duas viaturas descaracterizadas com que deixaram o posto de abastecimento de combustíveis.

Portugal ofereceu por várias vezes a cooperação judiciária e judicial acordada entre os dois países para tentarem localizar Américo Sebastião, mas as autoridades moçambicanas recusaram.

Ler mais
Recomendadas

Europeias: Pedro Marques diz que PS terá eurodeputado dos Açores e isso “faz a diferença”

Para Pedro Marques, é “muito difícil de explicar” a posição do PSD, mas o PS, por Bradford, um “profundo conhecedor da região”, “tem em conta as regiões ultraperiféricas” e os Açores em concreto.

Marisa Matias diz que Bruxelas “está a preparar um assalto às pensões”

A eurodeputada acusa Bruxelas qde querer reduzir a Segurança Social “a um sistema de esmolas para pobres, empurrando quem pode para produtos privados e quem não pode para a miséria”.

João Ferreira recupera tema da “renegociação da dívida nos juros, prazos e montantes”

“Ao todo, foram mais de 100 mil milhões de euros de juros pagos à banca desde a entrada de Portugal no euro, recursos que fizeram e fazem falta aos salários, pensões, aos serviços e investimento públicos, à dinamização da produção nacional”, afirmou o eurodeputado comunista.
Comentários