Governo promete bombeiros de intervenção permanente em todo o continente até 2020

O Governo pretende ter “em inícios de 2020 equipas de intervenção permanente todos os municípios do continente”, afirmou hoje Eduardo Cabrita, comprometendo-se a criar já este ano 40 equipas, a somar às 166 que já existem.

Ler mais

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, assumiu hoje dez compromissos com os bombeiros portugueses, entre os quais a criação, até 2020, de equipas de intervenção permanente em todos os concelhos do continente.

O Governo pretende ter “em inícios de 2020 equipas de intervenção permanente todos os municípios do continente”, afirmou hoje Eduardo Cabrita, comprometendo-se a criar já este ano 40 equipas, a somar às 166 que já existem.

O compromisso foi um dos dez assumidos hoje pelo governante com a Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP], nas Caldas da Rainha, onde foi empossado o presidente reeleito, Jaime Marta Soares.

Num “novo tempo para a proteção civil e a segurança”, o ministro assumiu a Liga como “parceiro estratégico no aprofundamento de uma reforma da proteção civil” comprometendo-se a ouvi-la “atempadamente” relativamente a todos os documentos estratégicos.

A LBP vai ser ouvida sobre a nova “figura diretiva operacional única de prevenção e de combate” que está a ser preparada “até ao final de março”, afirmou durante a cerimónia.

Mas, questionado pelos jornalistas, não se comprometeu com a criação de um comando nacional autónomo para os bombeiros [uma das reivindicações da LBP], remetendo também para março essa decisão.

“A estrutura da Proteção Civil exige uma estrutura clara de comando em que os bombeiros serão inseridos e serão uma componente essencial”, afirmou Eduardo Cabrita, recusando, no entanto, “antecipar um debate que será feito até março”.

O compromisso do ministro é de que a Liga participará nas “estruturas consultivas” dos órgãos de proteção civil e que passarão a contar com um oficial de ligação à estrutura da proteção civil.

A LBP será ainda ouvida na definição das prioridades na área de risco para o próximo quadro comunitário Portugal 2030 e “acompanhará a definição, em Bruxelas, do quadro de mecanismo europeu de resposta a grandes incêndios florestais, inundações, epidemias ou acidentes químico-industriais”, acrescentou Eduardo Cabrita.

O governante comprometeu-se ainda a reformar a escola nacional de bombeiros e a definir até ao final do semestre as condições do cartão nacional de bombeiro.

Compromissos que Jaime Marta Soares considerou um sinal de “diálogo franco e aberto na procura de soluções” para responder às propostas apresentadas pela Liga, esperando que possa estar a abrir-se “um novo caminho que possa vir a dar os seus frutos”, declarou aos jornalistas.

Relacionadas

Dois milhões de euros para concentrar serviços da Proteção Civil em Vila Real

O autarca, que falava durante a cerimónia do 121.º aniversário dos bombeiros da Cruz Branca, sublinhou que o investimento visa criar as “as melhores condições para que todos os agentes de proteção civil da região possam fazer o seu trabalho”.

Costa afirma que emprego será prioridade em 2018, mas prevenção dos incêndios também

Na mensagem de Natal, o primeiro-ministro reafirmo, “perante os portugueses, o compromisso de fazer tudo o que tem de ser feito para prevenir e evitar, naquilo que é humanamente possível, tragédias como a que vivemos. Melhorando a prevenção, o alerta, o socorro, a capacidade de combater as chamas”.

Incêndios: Costa diz que o tempo esgotou-se e que a reforma da floresta tem de avançar já

O primeiro-ministro advertiu hoje que o país continuará exposto a fenómenos climatéricos extremos e que o tempo político esgotou-se, impondo-se que os investimentos em curso no combate aos incêndios sejam acompanhados pela reforma estrutural da floresta.
Recomendadas

Índices de Aceitação e de Oposição: PS votou a favor de mais diplomas do PSD do que do PCP

Plataforma Hemiciclo acaba de lançar uma nova funcionalidade: os Índices de Aceitação e de Oposição que registam o número de vezes que uma determinada bancada parlamentar votou a favor ou contra diplomas de cada uma das outras bancadas. Entre os dados compilados destacam-se algumas surpresas.

Santana quer Aliança entre “maiores partidos e aumentar “mercado eleitoral” do centro-direita

“Se tiver no mercado eleitoral, em vez de duas ofertas, três ofertas válidas, há condições para esse espaço político conseguir mais votos do que só com duas”, garantiu Pedro Santana Lopes.

Rui Rio diz que “não ficaria surpreendido” com a recondução de Joana Marques Vidal

Líder do PSD salienta que tem feito “um esforço muito grande não pela não politização, mas pela não partidarização” da nomeação para a Procuradoria-Geral da República.
Comentários