Governo propõe aumento do salário mais baixo da Função Pública para 635 euros

Governo reuniu esta sexta-feira com os sindicatos da Função Pública. Aumento do salário mínimo da administração pública esteve entre as medidas negociadas.

Cristina Bernardo

O Governo propôs esta sexta-feira aos sindicatos da função pública aumentar a remuneração mais baixa do Estado para 635 euros.

Numa reunião com as estruturas sindicais dos trabalhadores da função pública, a secretária de Estado da Administração e Emprego Público, Fátima Fonseca, e o Secretário de Estado do Orçamento, João Leão, apresentaram uma proposta que eleva para o montante correspondente ao atual quarto nível remuneratório da Tabela Remuneratória Única (TRU), a base remuneratória da administração pública, dos atuais 580 euros para 635 euros.

“Esta solução é politicamente responsável na medida em que abrange os trabalhadores de todas as carreiras e categorias da administração pública que auferem remunerações base mais baixas”, justifica o ministério das Finanças, em comunicado divulgado esta sexta-feira. Acrescenta ainda que o Estado “como empregador dá um importante sinal para o setor privado”.

Nas negociações do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), os sindicatos da Função Pública exigiram aumentos entre 3% e 4% para os trabalhadores da Função Pública. Na apresentação do OE2019, o Governo anunciou disponibilizar 50 milhões de euros para aumentos, antecipando uma subida do salário médio destes trabalhadores superior a 3%.

Neste orçamento, o Executivo conta com um total de 800 milhões de euros para remunerações na Administração Pública (AP), o que, segundo Mário Centeno, perante promoções e progressões, faz com que o salário médio na AP cresça 68 euros. “É o maior incremento salarial da administração pública portuguesa da última década”, frisou Mário Centeno, na altura, em conferência de imprensa.

“As medidas de reposição de direitos traduzem-se num incremento do salário médio dos trabalhadores em funções públicas de cerca de 3% e constituem um grande investimento na recuperação da valorização das carreiras dos trabalhadores”, salienta o ministério das Finanças, no comunicado divulgado esta sexta. “Apesar deste processo extraordinário de reposição de direitos, o Governo pondera acomodar mais uma medida com carácter salarial”, acrescenta.

As negociações entre Governo e sindicatos são retomadas na próxima terça-feira, dia 11 de dezembro.

(Notícia atualizada às 15h37)

Ler mais
Relacionadas

Patrões admitem acordo nos 600 euros. Centrais sindicais recusam

As confederações patronais admitiram esta sexta-feira um acordo na Concertação Social para aumentar o salário mínimo nacional, desde que seja para 600 euros em 2019, mas as centrais sindicais recusaram, exigindo um montante superior.

Vieira da Silva avisa que diálogo social e negociação não significam abdicação

O ministro do Trabalho recusou esta sexta-feira que o Governo socialista seja arrogante perante as reivindicações dos sindicatos, fazendo uma distinção entre diálogo social e abdicação, e considerou essencial o rigor para tornar sustentáveis os progressos alcançados.

Parceiros sociais voltam hoje a discutir aumento do salário mínimo para 2019

O aumento do salário mínimo em 2019 volta esta sexta-feira à Concertação Social, tendo o Governo assumido que 600 euros é “um ponto de partida” e que não se oporá a um valor superior desde que haja acordo entre parceiros sociais.
Recomendadas

Chauffeur Privé alarga oferta à Área Metropolitana de Lisboa e a Setúbal

A empresa que disponibiliza serviços de mobilidade vai passar a operar nas cidades de Vila Franca de Xira, Mafra, Ericeira, Barreiro, Alcochete, Montijo, Sesimbra e Setúbal.

Sonagol nega ligação à Primagest

A petrolífera angolana acusa juiz da chamada “Operação Fizz” de faltar à verdade. Em comunicado, a empresa assegura que nunca indicou o ex-vice-presidente angolano Manuel Domingos Vicente para cargos sociais no Banco Atlântico Europa (antigo Privado Atlântico Europa).

Angola arrisca-se a cair para quinta maior economia de África

A Bloomberg Intelligence alertou que novas desvalorizações do kwanza, no seguimento do acordo com o FMI, podem fazer com que Angola caia para o quinto lugar das maiores economias da África subsariana.
Comentários