Governo propõe aumento semestral do salário mínimo a partir de 2018

A proposta prevê que o salário mínimo nacional suba para os 557 euros, no próximo ano.

Cristina Bernardo

O ministro do Trabalho e da Segurança Social, José António Vieira da Silva, apresentou aos parceiros sociais o compromisso de que a médio prazo a atualização do salário mínimo nacional seja feita de seis em seis meses, sendo que o primeiro aumento (para 557 euros) acontece já em 2017.

Na reunião de ontem com os parceiros sociais, o governante adiantou que a subida fica ainda dependente das condições económicas e sociais e que o objetivo dos 600 euros ainda não saiu de cima da mesa, valor que estima ser atingido na segunda metade de 2019.

A proposta do executivo português é a de que a subida aconteça em três fases distintas. O responsável pela pasta do Trabalho no Governo considera que este aumento é “um esforço concertado para aumentar a massa salarial, combater a pobreza no trabalho e promover a coesão”.

No que diz respeito a medidas de apoio às empresas, destaca-se a redução de 1% (de 23,75% para 22,75%) da taxa social única que pagam pelos trabalhadores que beneficiam do aumento do salário mínimo vai ser reduzida em 1%.

A decisão não deixou os sindicatos satisfeitos. Em declarações no final da reunião, Arménio Carlos, número um da CGTP, disse que se trata de uma medida apenas em prol dos patrões e “manifestamente desequilibrada”. Por outro lado, Carlos Silva, líder da UGT, refere que “Governo vem dar aos empregadores tudo o que eles querem”.

Na quinta-feira, vai haver nova reunião da Comissão Permanente de Concertação Social e prevê-se que os trabalhos em torno do salário mínimo nacional fiquem concluídos.

Ler mais

Relacionadas

Confederações patronais aceitam salário mínimo de 540 euros com redução da TSU

Confederações admitem aumento desde que seja garantida uma redução de 1% da TSU a cargo dos empregadores para os trabalhadores que têm remuneração mínima.

Parceiros discutem hoje aumento do salário mínimo

Governo propõe subida para 557 euros, face aos actuais 530, mas patrões defendem aumento de apenas 10 euros. Marcelo quer um acordo de médio prazo.
Recomendadas

Carga fiscal em Portugal subiu para 35,4% do PIB em 2018

A carga fiscal em Portugal subiu dos 34,3% do PIB em 2017 para os 35,4% em 2018, o valor mais elevado desde 2000, acima da média dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

Metade das rendas do programa de rendas acessíveis estão abaixo dos 500 euros

O Governo espera dentro de dois anos que 20% dos contratos de arrendamento firmados serão feitos no âmbito do PAA. A maioria dos contratos estão a ser assinados em Lisboa, diz a tutela.

Portugal cresce acima da zona euro que estabilizou no terceiro trimestre

A contribuir para esta evolução esteve o aumento de 0,5% do consumo das famílias na zona euro e na União Europeia a 28, enquanto o investimento avançou 0,3%, uma queda abrupta após ter aumentado 5,7% na zona euro e 4,3% na UE28 no trimestre anterior.
Comentários