Governo propõe que salário base da administração pública aumente para 635 euros

O salário mínimo nacional é atualmente de 580 euros.

Cristina Bernardo

O Governo propôs esta sexta-feira que o valor do salário mínimo nacional seja fixado nos 635 euros a partir de 01 de janeiro de 2019, segundo uma proposta entregue hoje na reunião da Concertação Social.

“Este valor representa um aumento nominal de 3,4% face a 2018, que se traduzirá numa valorização real na ordem dos 2,1%, de acordo com a inflação prevista no cenário macroeconómico do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019)”, adianta o Governo no documento.

Na proposta que está esta tarde a ser discutida com os parceiros sociais, o Governo sublinha ainda que a subida para 635 euros em 2019 “representa um aumento nominal agregado de 18,8% face aos 505 euros de 2015 e, atendendo quer à evolução da inflação nos últimos três anos, quer à inflação estimada pelo Governo para 2019 no quadro do OE2019, uma valorização real na ordem dos 13,8% do salário mínimo nacional no período 2016-19”.

“Assim, o valor de 600 euros permitirá uma valorização real do salário mínimo (13,8%) que supera as projeções que estiveram na base do compromisso assumido em 2015, que situava o aumento previsível em 11,6%”, diz ainda o executivo.

O salário mínimo nacional é atualmente de 580 euros.

Recomendadas

Chauffeur Privé alarga oferta à Área Metropolitana de Lisboa e a Setúbal

A empresa que disponibiliza serviços de mobilidade vai passar a operar nas cidades de Vila Franca de Xira, Mafra, Ericeira, Barreiro, Alcochete, Montijo, Sesimbra e Setúbal.

Sonangol nega ligação à Primagest

A petrolífera angolana acusa juiz da chamada “Operação Fizz” de faltar à verdade. Em comunicado, a empresa assegura que nunca indicou o ex-vice-presidente angolano Manuel Domingos Vicente para cargos sociais no Banco Atlântico Europa (antigo Privado Atlântico Europa).

Angola arrisca-se a cair para quinta maior economia de África

A Bloomberg Intelligence alertou que novas desvalorizações do kwanza, no seguimento do acordo com o FMI, podem fazer com que Angola caia para o quinto lugar das maiores economias da África subsariana.
Comentários