Governo quer penalizar médicos internos que deixem o interior

A proposta que o Executivo socialista quer levar a discussão no Conselho de Ministros prevê novos incentivos para os médicos internos que terminarem a sua especialidade em hospitais carenciados.

O Governo quer fazer regressar as vagas preferenciais para incentivar os médicos internos a terminarem a sua especialidade em hospitais carenciados. Entre os incentivos previstos no decreto-lei estão a atribuição de um subsídio correspondente a 40% da remuneração base e ajudas para o cônjuge e os filhos, avança o jornal ‘Público’.

A medida tem como objetivo ocupar as vagas dos hospitais com maiores necessidades de recursos humanos, que se localizam maioritariamente no interior do país, Alentejo, Algarve e ilhas. Os médicos que aderirem ao programa terão de permanecer no estabelecimento em que forem colocados durante três anos, no fim do internato.

Trata-se de um regresso às vagas preferenciais que deixaram de estar contempladas num decreto-lei do anterior Governo, datado de 2015. No entanto, esta última a proposta que o Executivo socialista quer levar a discussão no Conselho de Ministros prevê, ao contrário do anterior decreto-lei, penalizações. Os médicos que não cumprirem as regras do contrato ficam impedidos de exercer no Serviço Nacional de Saúde (SNS) durante três anos.

O presidente do Conselho Nacional do Médico Interno (CNMI), João Paulo Farias, considera o decreto-lei “muito equilibrado”. Já a Federação Nacional dos Médicos (Fnam) mostra-se contra a medida, considerando que as vagas preferenciais “põem em causa o direito da liberdade contratual do médico durante três anos”.

Recomendadas

Saúde: reclamações dos utentes aumentam 72% até setembro

Mau atendimento, tempos de espera, falta de informações e falta de condições são os principais motivos das queixas apresentadas pelos portugueses nos primeiros nove meses deste ano.

Sindicatos médicos contestam critério de redução de listas de utentes

Os sindicatos médicos consideram a proposta de Orçamento do Estado “meramente eleitoralista” e contestam que a redução da lista de utentes por médico de família fique dependente de 99% dos portugueses terem médico atribuído.

Administradores Hospitalares saúdam reforço na saúde e novo modelo de financiamento

A Associação dos Administradores Hospitalares saudou esta terça-feira o reforço do orçamento para a saúde e considerou “bastante positivo” o novo modelo de financiamento que está previsto para 11 hospitais públicos.
Comentários