Governo quer pôr fim a métodos “opressivos ou de intrusão” dos cobradores de fraque

A proposta de lei do Partido Socialista (PS) prevê que estas entidades passem a ter horários específicos para desempenharem as suas funções e novas regras de conduta.

O Governo de António Costa vai impedir métodos “opressivos ou de intrusão” na interpelação de devedores para o pagamento de dívidas por parte dos chamados “cobradores de fraque”. A proposta de lei do Partido Socialista (PS) prevê que estas entidades passem a ter horários específicos para desempenharem as suas funções e novas regras de conduta.

O projeto-lei aprovado no Parlamento estipula que as empresas de cobrança de dívidas fora dos tribunais devem obedecer a uma “regulamentação transversal”, tendo em conta “práticas agressivas de algumas entidades”. A medida tem como propósito regular a atividade de cobrança extrajudicial e criar um regime de acesso a esta atividade.

As novas regras prevêem o fim de métodos intrusivos, “nomeadamente a utilização de viaturas, indumentária ou materiais de comunicação que, pelo conteúdo da mensagem transmitida, procurem embaraçar ou transmitir uma imagem negativa do devedor”. Os “cobradores de fraque” terão até às 20h para se deslocarem a casa dos devedores.

Caso não cumpram com as regras estabelecidas, as entidades de cobrança de dívidas fora dos tribunais ficam sujeitas coimas. A violação da legislação que proíbe métodos que possam embaraçar os devedores arrisca uma multa que pode ir aos 2.500 euros. No caso das empresas, a multa pode chegar as 20 mil euros. Já a infração do código de acesso à atividade pode levar a uma coima máxima de 44 mil euros.

Recomendadas

Confederações patronais pedem reunião ao primeiro-ministro

“Os desafios que o país enfrenta num contexto tão exigente como o atual implicam uma convergência efetiva de esforços e a concertação com o sector privado da economia, primeiro responsável pela criação de emprego, pela geração de riqueza e pelo investimento”, argumentam CAP, CCP, CIP, CTP e CPCI.

Livro Verde: “O teletrabalho não pode, em nenhum caso, ser de recurso obrigatório”, defende CCP

No seu parecer à versão em consulta pública do Livro Verde sobre o Futuro do Trabalho, que termina esta terça-feira, a Confederação do Comércio e Serviços de Portugal defende que o teletrabalho deve ser objeto de negociação coletiva e a sua regulação deve ser ponderada e não basear-se na realidade resultante da pandemia.

Mulheres entre a população ativa que está mais fora da força de trabalho na União Europeia

O Eurostat contabilizou os cidadãos que em 2020 não estavam empregados nem desempregados, mas que também não têm disponibilidade para procurar emprego por se encontrarem a estudar, a serem cuidadores informais ou por razões de doença ou de invalidez.
Comentários